sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Como ler os textos da Cabala






O seguinte texto representa o começo do livro “Alcançando os Mundos Superiores” pelo Rev. Dr. Michael Laitman. Esse texto, se pode (e se devería) aplicar ao ler os textos da Cabala.

Como ler os textos da Cabala

A necessidade deste texto se fez em virtude das perguntas formuladas por meus alunos, e durante várias conferências e programas de rádio, assim como através das cartas que me chegavam aos montes, de todas as partes do mundo.

A dificuldade de explicar e ensinar a Cabala, acaba no fato de que o mundo espiritual não tem nenhum equivalente ao nosso.

Mesmo quando os objetos de nossos estudos estejam claros, nossa compreensão é só temporal.

O que aprendemos se capta por meio do componente espiritual de nossa capacidade de entender, a qual se renova constantemente desde o Alto.

No entanto, um assunto que entendemos inicialmente pode parecer confuso depois de um tempo.

Dependendo de nosso estado de ânimo e de nosso estado espiritual, o texto pode parecer repleto de um profundo significado ou completamente sem sentido.

Não se desespere se o que foi tão claro ontem, hoje parece ser confuso.

Não se renda se o texto parece ser vago, estranho ou sem lógica.

A Cabala não se estuda com o propósito de adquirir conhecimentos teóricos, mas sim para nos ajudar a ver e a perceber o que é oculto em nós mesmos.

Depois de ver e adquirir a fortaleza espiritual, começamos a ver e a perceber; logo, nossa capacidade de alcançar as luzes e níveis espirituais nos trará o conhecimento verdadeiro.

Até que possamos compreender a Luz Superior e percebamos o que isto significa para nós, não entenderemos como o universo é feito e como funciona, pois não existem analogias para estes conceitos no nosso mundo.

Este texto pode ajudar a facilitar nossos primeiros passos até a percepção das forças espirituais. Em etapas posteriores, seremos capazes de avançar somente com a ajuda de um professor.

Este texto não deve ser lido de uma maneira comum. Mas sim, temos que nos concentrar em um parágrafo, pensar nele, e tentar comprender os exemplos que refletem os temas discutidos, para logo os aplicar a experiência pessoal de cada um.

Devemos ler e pensar, paciente e repetidamente, em cada frase enquanto tentamos penetrar nos sentimentos do autor.

Também temos que ler detalhadamente, para extrair o supérfluo do escrito e, se é necessário, retornar ao começo de cada oração.

Este método pode nos ajudar a aprofundar no material de estudo – segundo nossos próprios sentimentos -, ou percebermos que precisamos deles no que diz respeito ao tema em particular.

A ausência desses sentimentos constitui um pré-requisito crucial para que avancemos espiritualmente.

Este texto não foi escrito para uma leitura rápida.

Ainda trata sobre um só tema: “Como nos relacionar com o Criador”, está enfocado de diversas maneiras, permitindo que cada um de nós encontre a frase ou a palavra particular que nos conduzirá ao fundo do texto.

Ainda que as ações e os desejos do egoísmo estejam descritos em terceira pessoa, até que possamos separar nossa consciência pessoal de nossos desejos, devemos considerar as aspirações e desejos do egoísmo como próprios.

A palavra “corpo” no texto não se refere ao ser físico, mas sim ao egoísmo; ou seja, ao desejo de receber.

Para se obter o maior proveito deste material, recomendo ler os mesmos parágrafos em diversos horários e estados de ânimo.

Ao fazê-lo, se poderá familiarizar melhor com suas reações e atitudes até o mesmo texto em diferentes ocasiões.

A discordância com o material é sempre positivo, é como concordar com ele.

O aspecto mais importante da leitura do texto é a reação que gera em cada um.

Um sentimento de desacordo indica que se alcançou a etapa preliminar (ajoraim, a parte posterior) da compreensão, a qual constitui uma preparação para a etapa seguinte de percepção (panim, cara).

É precisamente através desta leitura lenta e significativa que podemos desenvolver sentimentos, ou “vasos” (kelim).

Estes são necessários para que recebamos sensações espirituais.

Uma vez que os vasos ou recipientes estejam em seu lugar, a Luz Superior poderá penetrá-los.

Antes da sua formação, a Luz simplesmente existe ao nosso redor, circundando nossas almas, mesmo que não possamos percebê-la.

Este texto não foi escrito para aumentar os conhecimentos. E nem para ser memorizado. De fato, nunca devemos duvidar sobre o material de estudo.

Melhor ainda se esquecermos por completo do conteúdo, de modo que a segunda leitura pareça fresca e completamente desconhecida.

O esquecimento do material implica que as sensações anteriores foram captadas e que agora diminuiram, deixando um espaço para ser preenchido por novas sensações que não foram experimentadas.

O processo de desenvolvimento de novos orgãos sensoriais é constantemente renovado e acumulado na esfera espiritual não percebida de nossas almas.

O aspecto mais importante de nossa leitura é a maneira que nos sentimos com respeito ao material enquando o lemos, não depois.

Uma vez que estes sentimentos são experimentados, chegam a se revelar dentro do coração e da mente, e se manifestam quando for necessário no processo de desenvolvimento da alma.

Em vez de nos apressar em completar a leitura do texto, é recomendável que nos concentremos nas partes que mais nos atraem.

Só então, o texto poderá nos ajudar e nos guiar na nossa busca da ascensão espiritual pessoal.

Tradução de Gabriela Ayres
Referência: bnei baruch argentina blog

Fonte:
sua mente
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...