terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Passos para o Despertar Espiritual






Acreditando em Deus

Viemos para acreditar em Deus, e isso a fim de que ele habite em nós como Pai espiritual e amigo amoroso. Sem Deus no céu, nem a terra nem o que nela vive possuem significação alguma.

Mas, onde ele está para que possamos acreditar nele?

Onde estava tu, Pai, todos estes anos de desconhecimento, quando o procurávamos mas não o encontrávamos?

Estavam nossos corações por demais viscosos com as futilidades da vida que falhamos na procura séria?

Esperastes até que nossas dúvidas se esvaziassem, até que a turbulência de nossos pensamentos centrados em nós mesmos se acalmasse para revelar o lugar onde sempre estivestes?

Encontramos a ti em nossos corações, desde que em ti acreditemos e a ti amemos.

Tu flutuas acima das nuvens; conheces nossos modos e o porquê, e anelas por conversar conosco, vossos filhos. Sentimos tua presença ao nosso lado ao caminharmos na trilha da montanha porém, conhecer-te verdadeiramente, apenas no silêncio de nossas almas.

É possível que nosso momento de ter travado conhecimento contigo tenha sido como um relâmpago caindo sobre o carvalho solitário numa colina batida pelo vento, ou pode ter brotado aos poucos, como a névoa emanada de um lago montanhoso. Deus falou a Paulo através da luz e da cegueira; a outros, tão suave quanto as últimas folhas do outono caem na neve recém-chegada.

A presença de Deus está no ar que respiramos e em cada raio refletido das estrelas mas, até que o encontremos em nossas almas, os mensageiros da natureza nos trazem minguados significados.

O Deus dos universos vive em glória inescrutável mas seu segundo lar é no coração do humilde. Até que o conheçamos, o Pai mora onde a escuridão cobre o inconsciente, desapercebido como o vôo das pombas sobre um campo abandonado.

Mas, contempla! Sua presença — na sombra de nossa chegada, atrás da porta, longe das confusões da vida, disponível todo o tempo, em todo lugar, aos que o procuram.

Na mente calma, atenta, sentimos seu espírito, que sempre labora por amor.

Seus braços nos protegem contra os terrores da noite, e seus lábios tocam nossas faces com um beijo matinal.

Sua canção de amor vagueia com o sol da manhã e nos saúda pelo dia que se aproxima.

Crer em Deus abre caminhos de fé através dos quais verte a energia universal para curar nossas emoções, reacender nossas esperanças e alimentar nossas almas.

A força do mais além penetra em nossas vidas : exuberante, força transbordante onde dantes somente suspeitávamos vagamente.

As nuanças da vida registram então nova textura, brilho e sentido como os modelos de propósito eterno revelam a si mesmos na trivialidade.

Eventos que anteriormente desmoronavam-se como clamores ao acaso, a perspectiva agora sugere a intercessão coordenada de uma mão amorosa de Pai.

Estamos aprendendo a agir de acordo com nossas crenças espirituais e a apreciar fazer o que é correto e, quando o fazemos, a verdade é revelada e vemos a face de Deus.

Dentro de nossos corações aumenta a convicção de que Deus tem uma tarefa para nós, algo importante, um papel único no drama universal o qual elevará espiritualmente todo coração exausto na imensa criação. Anelamos por estar nesta tarefa, por ouvir e por atender aos alvitres do Diretor Supremo.

Conhecemos nossos defeitos soberbos tão bem quanto a letargia, mas também sabemos Quem é o Todo-Poderoso cuja grandeza absorve todas as nossas carências.

Criador, faça com que respondamos à sua direção benevolente.

Referências do Livro de Urantia :

O amor do Pai distingue de forma absoluta cada ser pessoal como filho único do Pai Universal, uma filho ímpar no infinito, uma criatura de vontade, insubstituível em toda a eternidade. O amor do Pai glorifica a cada filho de Deus, iluminando a cada membro da família celestial, perfilando nitidamente a natureza singular de cada ser pessoal frente aos níveis impessoais que se encontram fora da via fraterna do Pai de todos. 12:7.9

Mas não podeis estar tão absolutamente seguros da realidade de outro ser como podeis estar da realidade da presença de Deus que vive dentro de vós. 16:9.4 Assim pois, pode-se observar que os anseios religiosos e os impulsos espirituais não são de natureza tal que meramente conduzam os homens a querer crer em Deus, pelo contrário, são de uma natureza e poder tais que os homens estão profundamente marcados pela convicção de que devem crer em Deus. O sentido de dever evolutivo e as obrigações conseqüentes à iluminação da revelação produzem uma impressão tão profunda sobre a natureza moral do homem que este chega por fim à situação da mente e à atitude da alma na qual conclui que não tem o direito de não crer em Deus. A sabedoria mais elevada e supra- filosófica de tal indivíduo disciplinado e esclarecido o elucida, em último termo, que duvidar de Deus ou desconfiar de sua bondade equivaleria a falsear a coisa mais real e profunda dentro da mente e da alma humana : o Modelador divino. 101:1.7

Deus é tão real e absoluto que não se pode oferecer sinais materiais de prova nem demonstrações dos assim chamados milagres como testemunho de sua realidade. Sempre o conheceremos porque nele confiamos, e nossa crença nele embasa-se totalmente em nossa participação pessoal nas manifestações divinas de sua realidade infinita. O residente Modelador do Pensamento infalivelmente estimula na alma do homem uma autêntica sede de perfeição juntamente com uma imensa curiosidade que pode ser adequadamente satisfeita tão somente pela comunhão com Deus, a fonte divina deste Modelador. A alma sedenta do homem se nega a satisfazer-se com algo que seja menos que a realização pessoal do Deus vivo. 102:1.5-6

De Deus, a mais inevitável de todas as presenças, o mais real de todos os fatos, a mais viva de todas as verdades, o mais amoroso de todos os amigos e o mais divino de todos os valores, temos o direito de estar mais certos que de qualquer outra vivência no universo. 102:7.10

Muito frequentemente, os homens olvidam que Deus é a maior experiência na existência humana. Outras experiências estão limitadas em sua natureza e conteúdo, mas a experiência de Deus não tem limites, exceto os da capacidade de compreensão da criatura e esta mesma experiência é, em si própria, ampliadora da capacidade. Quando os homens buscam a Deus, estão procurando por tudo. Quando encontram a Deus, encontram tudo. 117:6.9

Durante a permanência em Amatus, Jesus passou muito tempo com os apóstolos, instruindo-os sobre o novo conceito de Deus; muitas vezes lhes repetia que Deus é um Pai e não um contador supremo, fundamentalmente ocupado em assentar nos livros os pecados e o mal de seus filhos extraviados na terra, computando suas maldades para, na seqüência, usá-las contra eles no julgamento, como Juiz justo de toda a criação. 141:4.1

"E tu Tomé, que disseste que não crerias a menos que me visses e pusesses o dedo nas chagas dos cravos em minhas mãos, agora me contemplastes e escutastes minhas palavras; e ainda que não vejas chagas de cravos em minhas mãos, posto que ressuscitei numa forma que tu também terás quando te fores deste mundo, que dirás a teus irmãos? Reconhecerás a verdade , já que em teu coração começastes a crer mesmo quando tão resolutamente afirmaste tua descrença. Tuas dúvidas, Tomé, sempre insistem de maneira mais obstinada no momento exato em que estão por se esvaecer. Tomé, rogo-te que não sejas incrédulo mas sim crente : e eu sei que tu crerás, e ainda com todo o teu coração". 191:5.4

Passo 3 : Aceitando a graça de Deus Reconhecemos que não podemos produzir reações espirituais à vida na ausência do poder divino, tendo em vista que todas as qualidades espirituais são dons de Deus que não podemos adquirir mas que podemos aceitar livremente.

A graça de Deus pode ser comparada com o vento que sopra onde quer mas cuja fonte não é segredo. Todas as boas coisas descendem do Pai de misericórdia e, até que nos apercebamos disto, lutamos contra a vida com espada curta e capacete batido. Não podemos alcançar metas espirituais através do desamparado poder humano — Deus sozinho nos leva consigo além de nossas limitações para a auto-realização. Encontramos plenitude no relacionamento, e Deus encontra outro filho, quando aceitamos o espírito divino que nos foi dado para morar em nossas mentes.

A graça de Deus é o depósito de nossas possibilidades, do qual despontam os dons e os talentos que excedem nossas capacidades humanas. Seu bálsamo curativo supera nossos obstáculos mentais, emocionais e espirituais; seu poder que remove montanhas abre novos caminhos de realização na selva confusa de nossas vidas.

Através da graça encontramos a Fonte de vida; através da graça, somos encorajados ao alcance; através da graça, aprendemos a amar. A graça nos convence de que uma Deidade onisciente e toda-poderosa tem assumido a responsabilidade do nosso bem-estar, a segurança daqueles que amamos e o sucesso das tarefas que empreendemos com fé. Deus possibilita que nossas ações com fé sejam inabaláveis e resolutas, afiançadas como o são pela confiança em sua soberania. Em nossa capacidade humana somos fracos, hesitantes, temerosos, penosamente cônscios de como é frágil e incompleto nosso lamentável estoque de coragem e sabedoria, mas a graça nos tem dado o poder de seguir adiante, agentes de um Ser com poder ilimitado para agir em nós e através de nós. O Pai guia nossos passos e mesmo que não compreendamos bem seus objetivos — posto que o fazemos pela fé — ele adapta os erros parciais em experiências que aproveitam tudo.

Nossas novas direções espirituais são infalivelmente consistentes com o que, no fundo de nós, sempre soubemos que é a verdade. Viver a verdade que brota de dentro de nós tem-nos libertado da escravidão da conformidade aos padrões convencionais de pensamento e ação. Somos impelidos pelo espírito de Deus e não pelas formas externas ou pelos costumes da humanidade. Nossa nova vida é um dom de Deus que não é adquirido pela moeda humana ou pelo auto-sacrifício, pela auto-ajuda ou pelo pensamento positivo. Compromisso, na prática, torna-se fé, um canal através do qual Deus derrama a paz interior que por si só faz com que a vida mereça ser vivida.

A graça nos ampara em todos os tentames; a graça nos dá forças quando estamos fracos; a graça nos conforta quando estamos descoroçoados. A graça provém do Construtor Mestre cujo desígnio eterno abarca tudo o que devemos ser ou fazer, todas as possibilidades para nossa consecução futura.. Deus nos supriu com a vida mesma, e à parte dele estamos privados, abandonados e sem valor. Deus conhece nossos nomes e o rumo que trilhamos e nos leva pela mão através do solo da existência humana.

Nós te agradecemos, Pai, por nos dar nossas vidas, por todas as várias circunstâncias que constituem esse ambiente terreno, e pelo eterna oportunidade de tal arranjo. Dá-nos coragem para agir em sua graça e que nossas vidas sejam proveitosas para nós mesmos e para nosso mundo. Referências do Livro de Urantia : A consciência de uma vida humana vitoriosa na terra nasce da fé da criatura que ousa enfrentar cada fato que se repete na existência, defrontando o impressionante espetáculo das limitações humanas mediante a infalível declaração : Mesmo que eu não possa fazer isto, em mim vive quem possa fazê-lo, uma parte do Pai-Absoluto do universo dos universos. E essa é "a vitória que venceu o mundo, vossa própria fé." 4:4.9

Este pacto de Melquisedeque com Abraão representa um grande acordo em Urantia, entre a divindade e a humanidade, no qual Deus acorda fazer tudo; o homem acorda tão só crer nas promessas de Deus e seguir suas instruções. 93:6.4

A única contribuição do homem para o crescimento é a mobilização do total de poderes de sua personalidade — a fé viva. 100:3.7 Entre outras coisas, o Modelador implorou "que me conceda mais fielmente sua cooperação sincera, que tolere mais alegremente as tarefas de minha colocação, que conclua mais fielmente o programa de meu arranjo, que passe mais pacientemente as provas de minha seleção, que caminhe mais persistente e alegremente pelo caminho de minha eleição, que receba mais humildemente o crédito que possa se acumular como resultado de meus esforços incessantes — transmita esta súplica ao homem em quem habito". 110:7.10

"Pelo velho método buscais suprimir, obedecer e conformar-se às regras de viver; pelo novo caminho, primeiro sereis transformados pelo Espírito da Verdade e assim vossa alma se verá fortalecida pela renovação espiritual constante de vossa mente; deste modo estareis dotados da força para fazer com segurança e júbilo a vontade misericordiosa, aceitável e perfeita de Deus. Não olvideis : é vossa fé pessoal nas insuperavelmente grandes e preciosas promessas de Deus que vos assegura de que participareis da natureza divina". 143:2.4

É a bondade mesma de Deus o que conduz os homens a um arrependimento verdadeiro e genuíno. O segredo de vosso autodomínio está ligado à vossa fé no espírito residente, que sempre trabalha por amor. Mesmo a fé salvadora não provém de vós; é também dom de Deus. 143:2.7

Em toda oração, recorda que a filiação é um dom. Nenhuma criança tem que fazer nada para ganhar a condição de filho ou filha. O filho terrestre adquire o ser por vontade de seus pais. Da mesma maneira, o filho de Deus chega à graça e à nova vida do espírito por vontade do Pai no céu. Por conseguinte, o reino do céu — a filiação divina — deve ser recebida como uma criança pequena o faria. 144:4.3

"A salvação é dom do Pai, e é revelada por seus Filhos. Vossa aceitação mediante a fé vos permite compartilhar da natureza divina, ser um filho ou uma filha de Deus. Pela fé estais justificados; pela fé sois salvos; e pela mesma fé avançareis eternamente no caminho da perfeição progressiva e divina". 150:5.3 "Não podeis comprar a salvação; não podeis ganhar a retitude. A salvação é dom de Deus e a retitude é o fruto natural da vida que nasce do espírito de filiação no reino". 150:5.5

"Vede, pois, que o Pai concede a salvação aos filhos dos homens, e esta salvação é um dom a todos os que têm a fé necessária para receber a filiação à família divina. Não há nada que o homem possa fazer para merecer esta salvação. As obras de auto-retitude não compram o favor de Deus, as orações públicas não expiam a falta de fé viva no coração". 167:5.1

"É vossa fé que salva vossa alma. A salvação é o dom de Deus para todos os que crêem que são seus filhos. Mas não vos iludais; ainda que a salvação seja um dom gratuito de Deus e seja concedida aos que a aceitam pela fé, o que se segue é a experiência de render os frutos desta vida espiritual enquanto se vive na carne". 193:1.2

Passo 4 : Admitindo nossas falhas

Reconhecemos e nos arrependemos sinceramente de nossas más ações, confessados estes erros à Deus e confiando num amigo com que se pode contar. Sem a oportunidade de errar, as grandes lealdades nunca se desenvolveriam. "Sim, eu farei" seria algo sem sentido se esse alguém não pudesse ter dito "Não, eu não farei". A liberdade que Deus nos tem dado para viver e agir no mundo nos assegura que cometeremos erros e por outro lado o que aparenta ser um mar de liberdade seria uma miragem do deserto.

Mas, ao mesmo tempo, esses erros inevitáveis provenientes das escolhas imaturas nos neutralizam e nos oprimem com a culpa e a desconfiança de nós mesmos, tornando-nos prisioneiros do passado, e nos acusam perante nosso Criador. O desígnio de Deus para a vida neste mundo suscita a plena permissão para nossos erros; neste clima de liberdade, nossa imaturidade não admite nenhuma possibilidade para qualquer outro resultado. Através do alcance espiritual, entretanto, o Pai nos supre de certos meios para triunfar sobre as sombras da irrealidade, para nos desenvolvermos através dos problemas nascidos de nossas respostas acidentadas aos desafios da vida, por meio dos quais ganhamos a força, a convicção e a humildade que resultam da experimentação pessoal da vida em toda sua realidade e, algumas vezes, em sua aspereza.

O pecado, nunca acidental, requer nossa decisão premeditada de violar o que nós sabemos ser correto e à parte de tal pensamento ou ação intencional não há pecado. Nossa consciência pode nos acusar perante os costumes da sociedade, mas o pecado requer a deslealdade deliberada ao que há de mais alto e verdadeiro no coração e na alma humana : Deus mesmo.

O pecado nos separa da consciência equilibrada e feliz da presença de Deus e rompe nosso relacionamento com nossos semelhantes. Sentimo-nos culpados, desapontados conosco, retirados do mundo, com o prejuízo de sabermos fazer as coisas de modo correto e em dúvida sobre a nossa coragem ou habilidade de nos tirarmos do emaranhado de problemas provenientes de nosso próprio plano precipitado.

Uma vez cometido, para nos desprendermos de nossa complexa teia de enganos se requer mais que simplesmente desejar que ela se vá embora ou, mais insidiosamente, reprimir interiormente sua lembrança por entre frestas mentais que ulceram e insalubremente se rompem em algum momento de estresse futuro. A solução é a simples honestidade. A libertação da tirania do pecado e da culpa requer nossa coragem para confrontar e confessar cada erro que tivermos cometido : contra Deus, contra nós mesmos, contra os outros, por pensamento, palavra ou ato, sem desculpas ou atenuações. Devemos expô-los todos, todos de uma vez, aqueles pecados que parecem inconseqüentes assim como os maiores, e não mais nos sentiremos oprimidos pelo peso mortal de sua lembrança acusadora.

Os pecados que nos são mais desconfortáveis reconhecer são precisamente aqueles que apresentam perigo maior, e a confissão parcial não produzirá o fim que mais desejamos : a libertação dos erros de nosso passado e de nosso coração que Deus havia feito puro. Por essa razão, pesarosamente confessamos a Deus nossas más ações em todas as suas particularidades, não que ele não as tivesse percebido mas, mais propriamente, para definir os assuntos perante a luz plena de nossa consciência. Contamos ao Pai nossa determinação sincera de nunca mais cairmos em tais armadilhas novamente, e pedimos a Deus o perdão para cada um destes pecados para que sua presença debilitante seja expungida dos recessos de nossas mentes e de nossas lembranças.

A seguir, invocamos coragem para repetir tudo o que dissemos ao nosso Pai a um amigo ou conselheiro cuidadosamente escolhido, alguém que nunca trairia nossa confiança. Na hora estabelecida, contamos a história sob a luz que menos favorece a nós mesmos, evitando toda tentação de invalidar a confissão de nossa conduta repreensível através de desculpas extenuantes.

Nossa meta é a liberdade e a retidão e só pode ser atingida fazendo uma faxina de todos os passos em falso de nosso passado. Despido de pretensões, nosso passado é oferecido a Deus e agora nós nos humilhamos perante o mundo representado pelo amigo ou conselheiro ao qual contamos nossa estória. É sem contentamento que sacamos estes aspectos desafortunados de nosso passado, como uma empregada diligente limpa dos cantos escondidos a poeira e a desordem.

É com imensa dor que narramos estes pecados passados mas a plena exposição torna insignificante sua negra hegemonia. Desenterrados e expostos, despidos de sua pretensão de soberania, eles se dissolvem em sombras de fantasmas do nada. À parte do ressarcimento àqueles que nossas ações causaram dano, não devemos mais refletir sobre esses pecados passados pois assim fazendo apenas ressuscita seu poder pernicioso, enfraquecendo-nos por duvidarmos do perdão e da misericórdia de Deus. Nós confessamos nossos pecados e eles nos são perdoados; a atenção continuada aos seus cadáveres desfeitos somente nos envenena com seu odor enfastiado. No passado, ocultar estes pecados duplicava sua fascinação terrível. Expostos à luz do sol, sua influência sobre nós é solucionada sem causar mal algum somente se evitarmos a tentação da reminiscência destas experiências lamentáveis que causaram a nós e aos outros tanta dor.

Quando estamos em paz conosco, experimentamos paz com o mundo. Confessando, lançamos para fora o orgulho falso que nos constrange emocionalmente, impedindo-nos de perdoar aos outros ou de aceitarmos a nós mesmos. A confissão faz nascer um novo auto- respeito baseado num relacionamento restabelecido com Deus. Colocando as coisas direitas com Deus, tornamo-nos direitos conosco e com o mundo.

De tempos em tempos faremos coisas que nos farão descontentes conosco, mas através disso tudo o Pai continua a nos amar e a nos dar forças para superar essas lembranças pois não deixamos de ser humanos. A confissão nos desembaraça destes passos em falso, desnuda seu poder, remove toda mácula de nossas almas, tornando-nos limpos, inteiros, restaurados, revividos, puros de coração e livres para a vida que Deus planejou para nós.

Referências do Livro de Urantia :

Jamais, em tua ascensão ao Paraíso, ganharás algo tentando impacientemente iludir o desígnio divino estabelecido mediante atalhos, invenções pessoais ou outros artifícios para facilitar o avanço no caminho da perfeição, para a perfeição e com o intuito da perfeição eterna. 75:8.5

O pecado deve redefinir-se como deslealdade deliberada à Deidade. Existem graus de deslealdade : a lealdade imparcial da indecisão; a lealdade ambivalente do conflito; a lealdade moribunda da indiferença; e a morte da lealdade manifestada pela devoção a ideais ímpios. 89:10.2

A confissão do pecado é o repúdio viril da deslealdade, mas de forma alguma mitiga as conseqüências espaço-temporais de tal deslealdade. Porém, a confissão — o reconhecimento sincero da natureza do pecado — é essencial para o crescimento religioso e para o progresso espiritual. 89:10.5

A dotação da liberdade aos seres imperfeitos inevitavelmente vincula-se a tragédias, e é a natureza da perfeita Deidade ancestral compartilhar universal e afetuosamente estes sofrimentos em amoroso companheirismo. 110:0.1

"E não lestes nas escrituras onde diz : "Ele olha os homens, e se algum disser : pequei e perverti o que era justo, e de nada me aproveitou, então Deus livrará a alma desse homem da escuridão, e ele verá a luz". 130:8.2

Põe fim à tua miséria odiando o pecado. Quando contemplares ao Magnânimo, aparta-te do pecado com todo o coração. Não te escuses pelo mal; não justifique o pecado. Por teus esforços por emendar-se pelos pecados passados adquirirás fortaleza para resistir às futuras tendências para pecar. A moderação nasce do arrependimento. Não deixes nenhuma falta inconfessada ante Magnânimo. 131:3.3

Se um homem reconhece o caminho do mal e sinceramente se arrepende do pecado, então poderá buscar o perdão; poderá libertar-se do castigo; poderá transformar a calamidade em bênção. 131:8.5

"Nosso Pai ama mesmo o malvado e sempre é bondoso com o ingrato. Se mais seres humanos pudessem conhecer tão só a bondade de Deus, certamente seriam levados ao arrependimento de sua má conduta e à renúncia a todos os pecados conhecidos". 131:10.4

E toda esta fé verdadeira está predicada na reflexão profunda, na autocrítica sincera e numa consciência moral intransigente. 132:3.5

"Muitas vezes, quando tivestes feito o mal, pensastes em culpar a influência do demônio em vossos atos, ainda que na realidade tivestes errado guiados por vossas próprias tendências naturais. Acaso não vos disse o profeta Jeremias, há muito tempo, que o coração humano engana-se sobre todas as coisas e, às vezes, é até desesperadamente perverso? Quão fácil é vos enganar a si próprios e assim cair em temores tolos, mergulhar na luxúria, nos prazeres escravizadores, malícia, inveja e ainda ódio vingativo! 143:2.5

Quando os homens crerem neste evangelho, que é uma revelação da bondade de Deus, serão conduzidos ao arrependimento voluntário de todo pecado conhecido. A compreensão da filiação é incompatível com o desejo de pecar. 150:5.5

Acreditando em Deus (Passo 2).

Fonte:
Livro: 21 Passos para o Despertar Espiritual
Harry McMullan
Tradução Ana Maria Nascimento Roberto

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...