sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Carnaval 2012 Brasil / Desfile das Escolas de Samba Campeãs / São Paulo e Rio de Janeiro / AO VIVO


Desfile 
AO VIVO
das Escolas de Samba Campeãs de:

São Paulo

Na sexta, 24/02/2012, 22:15 horas,
você vai curtir:


Acadêmicos do Tatuapé (Vice-Campeã do Grupo de Acesso),
Nenê de Vila Matilde (Campeã do Grupo de Acesso),
Unidos de Vila Maria (5ª colocada),
Mancha Verde (4ª colocada),
Vai-Vai (3ª colocada),
Rosas de Ouro (Vice-Campeã) e
Mocidade Alegre (Campeã 2012).






Rio de Janeiro

Já no sábado, 25/02/2012, 21:15 horas,
ao vivo da Marquês de Sapucaí, desfilam:


Portela (6ª colocada),
Grande Rio (5ª colocada),
Beija-Flor (4ª colocada),
Vila Isabel (3ª colocada),
Salgueiro (Vice-Campeã) e
Unidos da Tijuca (Campeã 2012).






quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

A Quaresma (Antroposofia)


O cristianismo reserva 40 dias do ano para a preparação para a Páscoa, e chama esse período de Quaresma. Estes 40 dias simbolizam os 40 dias que Cristo passou meditando e orando no deserto. É um período de recolhimento e antigamente de jejum e penitência. Hoje passa geralmente despercebido no nosso calendário. Porém, a quaresma pode ser um tempo de reflexão e de transformações na sua vida.

Nosso psiquismo encontra expressão pelo pensamento, pelo sentimento e pela vontade que gera ação. O equilíbrio entre o pensar, o sentir e o agir conduz a uma vida psiquicamente harmoniosa, onde a depressão e a ansiedade não encontram refúgio. Os três estão interligados e influenciam-se mutuamente. Quando modificamos nosso pensar, pela meditação, por exemplo, passamos a sentir de uma maneira diferente e percebemos a sutileza de nossos sentimentos. E nossas ações também sofrem alterações, com essa mudança que começou no pensar.

Quando tomamos mais consciência de nossos sentimentos, percebemos o quanto eles mexem com nossos pensamentos e nos fazem agir como escravos de emoções que nos tomam, e conseguimos ter maior controle sobre a reação que os sentimentos nos causam.

Dos três, o agir é geralmente o mais prejudicado nos nossos dias de excesso de informações e compromissos, em que a imagem que exibimos nas redes sociais é muito mais importante do que a essência daquilo que somos. O que mais fazemos é reagir a algo que nos é solicitado, e é com muita dificuldade que conseguimos colocar a força de nossa vontade numa ação voluntária.

Por isso, a oportunidade de exercer nossa vontade de forma voluntária por 40 dias pode trazer grandes (ou ainda que sejam pequenas) transformações ao nosso pensar e ao nosso sentir. Dominar a própria vontade, através da renúncia a algo que lhe é caro é um exercício de fortalecimento da própria vontade.

Ano passado, minha filha de quinze anos abdicou de comer chocolate durante a quaresma, simplesmente como um treinamento da própria vontade. Foi impressionante como todos lhe ofereciam chocolates e ela recusava. Percebi depois disso como ela organizou-se de maneira disciplinada para estudar e como tem se dedicado às metas que ela mesma se propõe em relação ao seu desempenho na escola.

Esta mudança no agir pode levar à mudança de como percebemos nossos sentimentos e de como pensamos, e é um recurso que está ao alcance de qualquer um de nós, basta agir.

Por Marcelo Guerra

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Carnaval 2012 Brasil / Salvador Bahia / Ao Vivo


Bom Carnaval !!!


CARNAVAL 2013

ACESSE AQUI:







Circuito Barra - Ondina


Joga a mão p'rá cima!!!
Tira o pé do chão!!!


De 16 a 21/Fevereiro/2012


Transmissão AO VIVO 
à noite (17:30 às 01:30 horas)














Mostrando Ao Vivo: Salvador - Bahia
Circuitos:
Campo Grande 
Praça Castro Alves
Ondina
Farol da Barra

*Ivete Sangalo *Timbalada *Parangolé  
*Jammil *A Zorra *Banda Eva 
*Tuca Fernandes *Trio Independente *Tô Ligado 
*Banda Os Mascarados *Daniela Mercury *Aviões do Forró 
*Bob Sinclair *Leva Noiz *Claudia Leitte 
*Carlinhos Brown *Alexandre Peixe *Trio do Rei Momo 
*Gilmelândia e Banda *Fantasmão *Magary Lord 
*Alexandre Peixe *Asa de Águia *Cheiro de Amor  
*Exaltamaníacos *Seu Maxixe *Ed City 
*Oz Bambaz *Trio Carnaval Pipoca *Harmonia do Samba 
*Morais Moreira *Banda Mulherada * Saiddy Banda
*Skol Folia *Cortejo Afro *Viviane Tripodi *Psirico
*Armandinho e Irmãos *Margareth Menezes  *Ricardo Chaves 
*Coco Pileke *Banda Novos Bárbaros *Banana Reggae 
*Chiclete com Banana *Bell Marques *Oito7Nove4
*Daniela Mercury *Olodum *Filhos de Gandhi


Bom Carnaval !!!

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Carnaval 2012 Brasil / Salvador Bahia


CARNAVAL 2013


ACESSE AQUI:






Circuito Barra - Ondina


Joga a mão p'rá cima!!!
Tira o pé do chão!!!


De 16 a 21/Fevereiro/2012


Transmissão AO VIVO 
à noite (17:30 às 01:30 horas)













Mostrando Ao Vivo: Salvador - Bahia
Circuitos:
Campo Grande 
Praça Castro Alves
Ondina
Farol da Barra

*Ivete Sangalo *Timbalada *Parangolé  
*Jammil *A Zorra *Banda Eva 
*Tuca Fernandes *Trio Independente *Tô Ligado 
*Banda Os Mascarados *Daniela Mercury *Aviões do Forró 
*Bob Sinclair *Leva Noiz *Claudia Leitte 
*Carlinhos Brown *Alexandre Peixe *Trio do Rei Momo 
*Gilmelândia e Banda *Fantasmão *Magary Lord 
*Alexandre Peixe *Asa de Águia *Cheiro de Amor  
*Exaltamaníacos *Seu Maxixe *Ed City 
*Oz Bambaz *Trio Carnaval Pipoca *Harmonia do Samba 
*Morais Moreira *Banda Mulherada * Saiddy Banda
*Skol Folia *Cortejo Afro *Viviane Tripodi 
*Armandinho e Irmãos *Margareth Menezes  *Ricardo Chaves 
*Coco Pileke *Banda Novos Bárbaros *Banana Reggae 
*Chiclete com Banana *Bell Marques *Oito7Nove4
*Daniela Mercury *Olodum *Filhos de Gandhi


Bom Carnaval !!!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Liberdade = Responsabilidade


"Liberdade significa responsabilidade. 
É por isso que tanta gente tem medo dela."

George Bernard Shaw

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Plante boas sementes!


"Quando voce planta uma semente na terra ela pode se parecer com qualquer outra semente, marrom e seca, sem nenhum sinal aparente de energia vital.

No entanto, voce a coloca na terra com confiança, e no momento certo ela começa a crescer.

Ela sabe exatamente no que ela vai se transformar.

Voce só sabe o que plantou porque estava escrito na embalagem, mas voce acredita que determinada planta vai nascer daquela semente, e é o que acontece.

Quando voce planta as ideias e pensamentos certos em sua mente, voce deve fazê-lo com absoluta confiança, acreditando que somente o que é perfeito vai nascer delas.

À medida que sua confiança se torna mais forte e inabalável, essas ideias e pensamentos construtivos começam a crescer e se desenvolver.

Assim voce alcança o sucesso em tudo.

É o poder interior presente em cada um de nós que faz o trabalho.

SOU EU dentro de voce."


Fonte:
Abrindo Portas Interiores
Eileen Caddy
Fundação Findhorn Escócia

Sê inteiro...


"Para ser grande, sê inteiro: 
Nada teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa
Põe quanto és
No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda brilha
Porque alta vive."

Fernando Pessoa

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

...o mar...


"Por vezes sentimos 
que aquilo que fazemos 
não é senão 
uma gota de água no mar. 
Mas o mar seria menor 
se lhe faltasse uma gota."

Madre Teresa de Calcutá

Sal Grosso / Banho de Sal Grosso


Os benefícios do sal no banho são muitos, desde estético até medicinal. Muito antes de Cristo o uso do banho de mar para cura era sistemático na China e em seguida em outros lugares no mundo.

Hipócrates incentivou curadores de fazer uso de água salgada para curar várias doenças imergindo seus pacientes em água do mar.

O banho de sal tem muitos efeitos sobre os músculos e o sistema nervoso, assim agindo para combater o estresse e aliviando tensões.

O sódio auxilia na eliminação das toxinas do organismo e age como o brometo, um relaxante muscular natural, que faz com que seja benéfico para quem sofre de artrite.

Os sais podem alterar o equilíbrio osmótico da água, e o sulfato de magnésio pode ser absorvido através da pele, causando um efeito anti-inflamatório.

Outro efeito é o de eliminar a energia negativa que acumulamos no dia a dia, e talvez este seja o mais aplicado na utilização do sal grosso no banho. O banho mais eficaz para a energia do corpo é o simples banho de mar, mas nem sempre esta ao alcance de todos.

Modo de tomar o banho de sal grosso:

Após seu banho convencional, deixe um punhado de sal grosso escorrer do pescoço para baixo, embaixo da água da ducha. Uma opção que agrada muitas pessoas, é colocar um punhado de sal dentro de uma meia, e repousar esta na nuca (atrás do pescoço) debaixo da ducha.

Não é aconselhável banhos frequentes, pois o sal tira toda energia do seu corpo, tanto a negativa quanto a positiva, e caso necessite de vários banhos, seria bom repor estas energias com massagens de óleos aromáticos, meditação com velas e incensos, fazer algo de muita felicidade pessoal e lógico que muito pensamento positivo e feliz.

Benefícios de banhos e escalda pé com sal grosso:

Fisiológico

· Ajuda a desintoxicar o corpo e afastar os vírus

· Estimula a circulação natural para a melhoria da saúde

· Ajuda a aliviar o pé do atleta, calos e calosidades

· Relaxa a tensão, dores musculares e nas articulações

· Ajuda a aliviar artrite e reumatismo

· Ajuda a aliviar a dor lombar crônica.

Benefícios estético

· Tira as impurezas da pele

· Alivia irritações da pele como psoríase / eczema

· Alivia coceiras, ardor e picadas

· Suaviza e amacia a pele

· Incentiva a pele se renovar

· Ajuda a curar as cicatrizes

· Restaura o equilíbrio a umidade da pele.

Ocupacional

· Alivia o cansaço, os pés doloridos e os músculos da perna

· Alivia a tensão nas mãos e punhos

· Ajuda a aliviar lesões do esporte.

Psico-físico

· Proporciona um relaxamento profundo

· Ajuda a aliviar o estresse e a tensão

Como tomar Banho com Sal Grosso:

O banho de sal grosso tira energias negativas, mas também as positivas. Por isso é melhor não abusar dos banhos. Comece com um banho por semana, e se não sentir resultado, aumente os dias aos poucos… e quando sentir que está funcionando, mantenha até sentir-se melhor.

Se for necessário vários banhos, procure fazer meditação após alguns banhos, isso ajuda a repor energias positivas.

Uma vela aromática ou incenso também ajudam a recuperar energia positiva.

Para facilitar seu banho com o sal grosso pegue uma meia fina, pode ser velha (limpa, né) e coloque dois punhados de sal grosso dentro da meia e dê um nó leve na extremidade para não vazar o sal.

Depois de seu banho convencional, coloque a meia na nuca (parte de tráz do pescoço) e deixe a água do chuveiro caindo na meia.

Assim o sal vai derretendo dentro da meia e escorrendo pelo seu corpo. E se quiser, pode ir movimentando a meia pelo corpo.

Tome poucos banhos com o sal no começo, até sentir que consegue repor a energia positiva.

Não conheço ninguém que se prejudicou com banho de sal grosso, só alerto para não te deixar com fraqueza por excesso de banhos. É só uma dica.

Faça seu banho com sal grosso, e em seguida deite e relaxe ao som de uma música, com luz de velas, incenso e meditação.

Não há energia negativa que aguente!



Benefícios do SAL

Está chegando o verão e nessa época muitas pessoas aproveitam para viajar para a praia. Aposto que você já experimentou a sensação de relaxamento depois de um banho de mar, mas alguma vez você já pensou que benefícios de fato esse banho pode trazer à nossa saúde?

A água do mar tem muitos componentes que trazem relaxamento ao corpo, tiram dores e reenergizam. Não é à toa a crença de que um banho de mar pode "descarregar" energias negativas. Além das propriedades da água, a quebra das ondas no corpo promove uma drenagem linfática e ainda estimula a pele e a circulação.

A água marinha é composta por mais de 80 elementos químicos. Alivia principalmente as tensões musculares, graças à presença de sódio em sua composição — por isso é considerada energizante. A massagem que as ondas fazem no corpo estimula a circulação sanguínea periférica, e isso provoca aumento da oxigenação das células.

Graças à presença de cálcio, zinco, silício e magnésio, a água do mar é usada para tratar doenças como artrite, osteoporose e reumatismo. Já o sal marinho, rico em cloreto de sódio, potássio e magnésio, tem propriedades cicatrizantes e antissépticas.

Banho de Sal Grosso

Se você não pode desfrutar de um banho de mar, você pode simular um em casa. É uma técnica chamada Thalassoterapia que usa as propriedades do sal marinho e das algas para ativar a pele e deixá-la mais bonita e revitalizada.

O banho de sal, assim como o banho de mar simples, tem muitos efeitos sobre os músculos e o sistema nervoso, assim agindo para combater o estresse e aliviando tensões. O sódio auxilia na eliminação das toxinas do organismo e age como o brometo de um relaxante muscular natural, que faz com que seja benéfico para quem sofre de artrite.

Os sais podem alterar o equilíbrio osmótico da água, e o sulfato de magnésio pode ser absorvido através da pele, causando um efeito anti-inflamatório.

Carvão Virgem e Sal Grosso

O banho de sal grosso deve ser passado pelo corpo, sendo que o melhor mesmo seria fazer o procedimento no chão de terra, mas diante da impossibilidade para muitos, alguns pedaços de carvão virgem colocados dentro de um recipiente no piso, a pessoa coloca os pés sobre o carvão, procede dessa forma o banho de sal.

A função do carvão é para a captação de partículas mais pesadas e depois uma chuveirada para retirar o excesso.

Na possibilidade de se fazer o banho imersivo com ervas. Seria numa banheira sendo feito depois do banho de sal grosso, ou seja após a limpeza do campo áurico, este banho de ervas ou essência, repõe as energias positivas. E por isto pode-se compará-lo o mesmo à aromaterapia.

O escoamento acontece do mesmo modo, sendo que a diferença está no caso que no 1º banho com sal grosso a recomendação é que seja rápido, já para o 2º banho no mínimo 10 minutos. Isso é claro para aqueles que tem o privilégio de ter uma banheira em casa, é claro também recomenda-se não tomar o banho de sal na banheira, e sim no chuveiro.

A possibilidade de melhor absorção das essências de ervas é a potencializada pela imersão do corpo na banheira e tanto é assim que há a recomendação de não enxugar-se de imediato.

Um outro método prático e simples é colocar 7 colheres (de sopa) cheias de Sal dissolvidas num balde de 5 litros, depois é só virar pelo corpo, sempre livrando a cabeça e partindo do pescoço.

O carvão possui grande capacidade de absorção das energias etéricas densas, e no caso costuma-se recomendar que após despejar a salmoura, se cubra as mãos com uma sacola plástica ou luvas, depositando numa sacola os pedaços de carvão, fechando-a e tomando nova chuveirada, como já disse para retirar o excesso. O carvão deve ser jogado na terra, que a energia será absorvida pela natureza.

É importante frisar mais uma vez que tal recurso é um agente coadjuvante no reequilíbrio energético pois recomenda-se ao fazê-lo elevar os pensamentos numa mentalização positiva ou ainda para quem saiba, visualize no 1º banho a eliminação da negatividade, no 2º momento a expansão da energia inclusive com cores brilhantes e vivas.

Quantidade de Sal e Carvão:

- O suficiente para passar pelo corpo

- Carvão que caiba a planta dos dois pés

- Em 1 litro de água, coloque 7 colheres (de sopa) de sal grosso (pode ser fino), depois dissolva em mais 4 litros de água.

Fonte:
magia zen espiritualismo

...sabedoria...


"O saber se aprende com os mestres.
A sabedoria, só com o corriqueiro da vida."

Cora Coralina

domingo, 12 de fevereiro de 2012

A Respiração



É importante que se habitue a este exercício, ao que inclusive se lhe deve dar um caráter ritual. 

Pode ser que as distintas fases respiratórias não possam ser realizadas exatamente de acordo com o mesmo número de pulsações. 

Por exemplo: que a aspiração e a retenção precisem tempos diferentes, bem como a expiração e o vazio subsequente. 
No entanto, tanto os movimentos número 1 (aspiração), como o número 3 (expiração), devem ser feitos em tempos iguais. 
Assim, a retenção e o vazio (fases números 2 e 4) devem se efetuar em igual tempo. 
A saber, que se a aspiração é realizada em seis (6) pulsações, a expiração deve corresponder a esse mesmo número. 
Igualmente, se a retenção se faz em quatro (4) pulsações, o vazio se efetuará no mesmo tempo.


Seria muito conveniente que esta respiração começasse a ser para você como uma forma ritual, à qual pudesse recorrer em qualquer momento, distinguindo nitidamente do mundo da respiração ordinária este outro espaço, no qual você efetua seu exercício. 

Ao se acostumar a fazê-lo à vontade, começa o organismo a reconhecer outra possibilidade de si mesmo. 

Se no princípio tiver alguma dificuldade, não abandone. E reitere os esforços para consegui-lo. 

Lembre-se de que o segredo desta prática radica em expulsar totalmente o ar que possa ter em seus pulmões, na fase número 4, produzindo-se assim uma morte simbólica, à qual necessariamente tem de seguir um renascimento marcado por uma nova respiração. 

Lembre também que os exercícios têm de se efetuar aspirando o ar pelo nariz e expulsando-o pela boca

Se você consegue com estas práticas uma certa perfeição, poderá ampliar um pouco os minutos do dia para lhe dedicar, e inclusive exercitar-se nela em distintas ocasiões de sua jornada, e não só em seu gabinete de trabalho e em postura ritual. 

Se você consegue incorporar esta nova respiração a momentos determinados de seus horários ordinários, adquirirá uma certa mecanicidade em sua prática e execução. 

Isto tem valor, já que você está controlando à vontade sua recepção e entrega de energias, e sua respiração já não é algo inconsciente, arbitrário e casual, senão algo consciente, ordenado e efetivo. 

Ainda que não o tenhamos percebido, demos um pequeno grande passo para a concentração de nossos esforços na busca e reedificação de outras realidades adormecidas. 

Reitere e habitue-se a estes exercícios, que facilitarão outras muitas potências latentes em seu interior. 

Por certo, antes de se entregar a estas práticas, tem de ter um mínimo de relaxamento e tranquilidade indispensáveis.

Bom exercício! 

sábado, 11 de fevereiro de 2012

O Timo


O timo é um órgão bilobado que faz parte do sistema imunológico, ou seja, do sistema de defesa do organismo, encarregado de detectar e repelir a invasão de diferentes tipos de microorganismos (vírus, bactérias, fungos, protozoários, vermes, etc.).

Situado no peito, atrás do osso esterno, seu produto são os linfócitos-T, chamados assim por serem derivados do timo (T de timo-derivados). Além dos linfócitos-T, existem no organismo outros tipos de linfócitos que não são produzidos no timo, como os linfócitos-B, envolvidos na produção dos anticorpos. 


No entanto, os linfócitos-T constituem os elementos centrais no funcionamento do sistema imunológico, e por este papel central, sua ausência (ou a ausência do timo) frequentemente resulta na morte do indivíduo. Clara expressão da importância dos linfócitos-T é o quadro da AIDS (síndrome da imunodeficiência adquirida), doença em que o vírus HIV determina a queda progressiva das defesas do organismo e a morte do indivíduo, ao destruir seletiva e gradualmente grande parte dos linfócitos-T. 


O timo já está presente no nascimento, desempenhando um papel fundamental do fim da gestação à infância. Na adolescência, ele começa a regredir, de forma que no indivíduo idoso sobra apenas um pequeno resto atrofiado. No entanto, seu declínio na vida adulta não acarreta nenhum problema para o organismo, uma vez que o produto do timo, os linfócitos-T, já foi exportado e distribuído por todo o corpo, onde poderá exercer sua importante função durante toda a vida do indivíduo. 


De forma metafórica podemos dizer que, na vida adulta, o timo está distribuído por todo o organismo. A capacidade dos linfócitos e de outras células do sistema imune de atuar frente aos patógenos deriva da existência, em sua membrana celular, de receptores que reconhecem (enxergam) as estruturas (moléculas) dos diferentes microorganismos. Esses receptores se encaixam perfeitamente nas moléculas dos patógenos, como se tratasse de uma chave e uma fechadura.


As células evolutivamente mais antigas do sistema imunológico, como os macrófagos, apresentam em sua superfície uma coleção de receptores diferentes (um conjunto de chaves diferentes), sendo que cada tipo de receptor é capaz de interagir com um tipo de estrutura do universo dos micro organismos. Do ponto de vista da capacidade de reconhecimento, todos os macrófagos são iguais, uma vez que todos expressam o mesmo conjunto de receptores. Por outro lado, como este conjunto inclui por volta de 30-40 tipos de receptores diferentes, pode-se dizer que o repertório de reconhecimento dos macrófagos não é muito amplo.


Já nos linfócitos, tanto nos linfócitos-T como nos linfócitos-B (que são produzidos na medula do interior dos ossos), a estratégia de reconhecimento apresenta algumas diferenças fundamentais em relação à do macrófago. Em primeiro lugar, cada linfócito apresenta um único tipo de receptor em sua superfície, receptor que é específico para uma única estrutura molecular (uma única chave que se encaixa em uma única fechadura). Segundo, cada linfócito expressa um tipo de receptor diferente, comportando-se como se fosse um superespecialista, equipado para reconhecer uma única estrutura. Como temos um número enorme de linfócitos em nosso organismo (na faixa de trilhões), possuímos um número igualmente elevado de receptores diferentes, podendo-se dizer que, em conjunto, os linfócitos dispõem de possibilidades quase ilimitadas de reconhecimento. 


Na realidade, o conjunto de especialidades desse exército linfocitário é tão amplo que, para qualquer estrutura molecular presente na natureza, e até mesmo para as que foram sintetizadas pelo homem e não existem em forma natural, sempre haverá algum linfócito que a reconheça. 


Assim, o surgimento do sistema linfocitário (que veio a acontecer quando apareceram os vertebrados) representou uma expansão imensa das formas de reconhecimento, um grande aperfeiçoamento das possibilidades de defesa do organismo. Esta otimização do reconhecimento foi de tal ordem que contribuiu para o aumento do tempo de vida dos vertebrados em relação ao dos seus predecessores.


Agora, como é possível que o timo (assim como a medula) consiga fabricar trilhões de células, cada uma delas equipada com um tipo de receptor diferente? A gênese de um exército tão variado é garantida por mecanismos genéticos especiais que criam ao acaso uma grande diversidade de receptores, de um único tipo para cada linfócito. A geração de tal diversidade acontece de forma semelhante à operação em um imenso vestiário, onde, com quinhentos pares de sapatos, quinhentas camisas e quinhentas calças, um indivíduo pode se vestir de até 125 milhões de formas diferentes (500 vezes 500 vezes 500). Na nossa analogia, um determinado linfócito escolheria (ao acaso) um par de sapatos, uma camisa e uma calça deste grande vestiário, enquanto que o linfócito ao lado escolheria (também ao acaso) uma outra combinação de peças. 


A geração de uma diversidade tão ampla determina, entretanto, um grande perigo potencial, a possibilidade de se gerarem estruturas que reconheçam os constituintes das células do organismo. Como os diferentes tipos de receptores linfocitários são gerados às cegas, com antecedência à entrada dos patógenos e na ignorância de quais são os constituintes moleculares dos patógenos e quais os das células do indivíduo, a existência de linfócitos com reatividade frente às estruturas próprias torna-se uma consequência inevitável. Dessa forma, para impedir as consequências desastrosas de uma auto-agressão, um processo de seleção (educação ou aprendizado) torna-se necessário. No que se refere aos linfócitos-T, este processo acontece no próprio timo, onde, assim que formados, eles são checados quanto a sua capacidade de reconhecimento e eliminados ou desarmados quando reconhecem as estruturas de nosso próprio corpo. 


Todo dia, desde o nascimento até a adolescência e a partir daí de forma mais discreta, são gerados no timo milhões e milhões de linfócitos-T, dos quais somente vão ser deixados com todo o potencial beligerante aqueles que não corram o risco de reconhecer e atacar as estruturas moleculares do indivíduo. 


Assim, a construção do exército que irá fazer frente aos eventuais futuros invasores microbianos se dá por referência às estruturas próprias, alistando nas fileiras unicamente guardiães que respeitem a composição molecular do indivíduo. Dessa forma, a atividade de defesa dos linfócitos-T deriva de sua capacidade de reconhecer e eventualmente destruir o que é estranho ao indivíduo, qualquer entidade que lhe seja molecularmente diferente, diversa das estruturas moleculares próprias. 


A capacidade de distinguir o próprio do não-próprio é uma das características fundamentais das células do sistema imunológico, sendo que, no caso dos linfócitos-T, esta propriedade não é geneticamente determinada, mas aprendida durante seu desenvolvimento no timo. É por meio do conhecimento do que é o próprio que se constrói a relação com o mundo de fora.


O timo é, portanto, o educador que garante o respeito à identidade molecular do organismo. Tolerância ao próprio e potencial de reatividade ao que não é próprio constituem os produtos desse processo educativo, garantindo uma forma de reconhecimento dos patógenos muito mais refinada que a das células da estirpe macrofágica. 


Após sofrerem a educação tímica, os linfócitos-T deixam o timo e vão patrulhar incessantemente todo o organismo, vasculhando por todo lado, dentro e fora das células, à procura das fechaduras em que suas chaves se encaixam. No caso de uma infecção, uma pequena fração desse imenso exército linfocitário poderá reconhecer as estruturas moleculares do micro organismo desencadeante e, reagindo a elas, propiciará diversas ações que levarão à erradicação do agente infeccioso.


Pelo alto poder de reatividade, um tal sistema de guardiães tem de ser muito bem controlado. De cara, além das estruturas moleculares próprias do organismo, o sistema imunológico deve respeitar também elementos como os alimentos que ingerimos, os quais, mesmo que estranhos (diferentes de nós), não representam nenhum perigo para a nossa integridade. 


Um bom sistema de linfócitos-T é um sistema equilibrado, que reage na medida certa, sem exageros nem deficiências. Um sistema de linfócitos-T em desequilíbrio para a hiper-reatividade pode reagir tanto frente a elementos próprios como a elementos estranhos inócuos, desencadeando auto-imunidade e alergias. 


Do outro lado, um sistema imune hiporreativo resulta em infecções crônicas ou repetitivas, mesmo por microorganismos considerados de baixa patogenicidade. Múltiplos são os mecanismos que mantêm nosso sistema imune em um estado otimizado. Recentemente, está se dando uma atenção especial à sua conexão com outros sistemas do organismo, como o sistema endócrino, sistema nervoso vegetativo e sistema nervoso central, e cada vez é mais aceita a ideia da influência destes sistemas sobre a resposta imunológica. 


Os linfócitos têm receptores para encefalinas, endorfinas, catecolaminas e hormônios, e estima-se que variações nestes mediadores devam refletir-se em mudanças funcionais dos linfócitos (que poderão levar à hipo ou à hiper-reatividade), um processo que foi ignorado por muitos anos e que só agora começa a ser desvendado.


Além da otimização das possibilidades de reconhecimento, consequência da multiplicação do número de receptores, o surgimento do timo e do sistema linfocitário trouxe uma outra ferramenta de importância fundamental na defesa contra os micro organismos, a memória imunológica. 


Como descrito acima, o primeiro contato de um indivíduo com um determinado patógeno determina a ativação de uma fração dos linfócitos, aqueles cujos receptores se encaixam nas estruturas moleculares do referido patógeno. Esta reação linfocitária, que normalmente resulta na eliminação da entidade estranha, não regride totalmente quando da eliminação desta. 


Assim, os linfócitos-T envolvidos na resposta inicial permanecem no organismo já curado em um estado de prontidão reativa, um estado de pré-ativação, que poderá expressar-se como uma resposta imunológica acelerada e de alta eficiência caso o mesmo patógeno volte a invadir o corpo. 


Dessa forma, pode-se dizer que a reação linfocitária à entrada de um patógeno dota o indivíduo de uma memória da experiência. O status de prontidão reativa das células de memória é, entretanto, específico, ou seja, afeta exclusivamente os linfócitos que foram ativados com a primeira entrada do patógeno. 


A efetividade da memória imunológica é de tal ordem que impede que um grande número de micro organismos (como os vírus do sarampo, caxumba, etc.) possa se instalar no nosso organismo mais de uma vez, garantindo um status de “imunidade” ao indivíduo que entrou em contato com eles.


Feita esta introdução ao timo e a seu produto, os linfócitos-T, fiquei curioso pela sua história, assim como pelo nome dado a este órgão fundamental. Nas fontes acadêmicas, descobri que o primeiro artigo científico sobre a função imunológica do timo é relativamente recente, de 1961, quando Jacques Miller descreveu na revista Lancet que a remoção do timo de um animal jovem determina uma redução considerável dos linfócitos no sangue e em outros locais (“The immunological function of the thymus”). 


Em relação à origem do nome, verifiquei que foi Galeno, no século II da nossa era, quem chamou thymus ao órgão bilobado, de cor cinza-rosácea, situado no peito, porque, se diz, lembrava-lhe um maço de tomilho. Mas a planta tomilho (thymus em latim) era denominada assim porque era queimada como incenso. O altar que existia nos teatros gregos era chamado de thymele, e thymos era a ascensão da fumaça, a queima do incenso, o sacrifício aos deuses – todos eles acontecendo no peito, no altar interno. Significava a aspiração, os cantos de louvor, o espírito e a expressão do amor. Era a alma-sopro da qual dependia a energia do homem e a sua coragem (Diamond, M. D.). 


Prosseguindo a pesquisa nesta direção, encontrei que thymos deriva da raiz indo-européia dheu, que significa “acender em chamas”, “surgir em uma nuvem”, “fumar” (de uma pessoa indignada se diz que ela solta fumaça). Em sânscrito o vocábulo era dhuna, do qual vêm fumaça e perfume. Na Bíblia, e mais concretamente no Livro dos Reis, se faz também alusão a thymos como causa da raiva e da paixão.


Assim, a origem da palavra timo remonta à antiga Grécia, e, possivelmente, à civilização indo-européia. Na Grécia, a palavra “thymos” foi utilizada por Platão e seu mestre Sócrates, assim como por Homero. Há indicações de que, para os gregos, thymos significava aalma ativa, a alma perecível – diferente da psyché ou alma passiva e imortal. Essa alma ativa seria equivalente à razão, à consciência (“awareness”) e estaria associada à respiração (sopro, alma, palavra), ao coração (desejos e intenções) e ao fígado (emoções).


Em um determinado momento na Ilíada, Aquiles diz: “Levantando-se como fumaça no peito dos homens Agamemnon irritou-me, mas deixemos os grandes serem grandes e aquietemos o thymos no nosso peito”. Assim, thymos é metaforicamente interpretado como “levantar fumaça no peito”. Expressa o princípio da vitalidade e, portanto, no seu lado físico, a respiração. Como atestado por Homero, thymos é o ânimo ou o coração, a sede das paixões e da ira, mas também da coragem e do entusiasmo. Neste sentido, uma pessoa que tem thymos pode ser chamada de entusiasta, dotada da força passional de reagir prontamente. 


Em consequência, thymos não tem a ver unicamente com a tendência à ira ou à indignação, mas com uma disposição anímica para acender e reagir energicamente, com dignidade, coragem, auto-estima e ardor espiritual.


Como indicado por John Onians, thymos referia-se originalmente ao sopro, à respiração. Era a matéria da consciência, o espírito, a alma-sopro, da qual dependia a energia e coragem do homem. Mesmo na sua mais remota origem, thymos denota “levantar-se em chamas” como nuvem ou espírito, o que nos remete ao conceito de alma e energia vital.


Para Platão, thymos é a parte da alma que denota o orgulho, a indignação, a vergonha e a necessidade de reconhecimento. É um atributo guerreiro, um aspecto da vida interior que dá significado à beligerância. Sem thymos o homem não é mais do que um animal muito inteligente, com cérebro e necessidades físicas, mas sem autonomia moral. 


Para Platão, thymos coexiste em nós com a razão e os desejos, sendo que, às vezes, nos leva a agir de uma maneira não razoável. 


Fechando com chave de ouro esta investigação sobre a etimologia de timo, fiquei estarrecido ao me deparar com o Livro 2 da “República”, e mais especificamente com o capítulo sobre “o Caráter e a Educação dos Guardiães”, em que Platão escreve: “A cidade luxuosa terá necessidade de um exército e portanto, de uma classe de especialistas, chamados ‘Guardiães’ (phylakes), os defensores da polis. A justiça será um dos seus objetivos mais importantes. Para realizarem bem o seu trabalho, os ‘Guardiães’ deverão ser dotados de vigor físico, dethymos, da capacidade de se comportar gentilmente com aqueles conhecidos e agressivamente com aqueles desconhecidos.” Uma bela descrição do thymos no nosso peito, tanto da entidade anímica, como do timo físico, berço e educador dos guardiães da identidade molecular do indivíduo.

Jose Alvarez Mosig

Karunesh / Heart Chakra Meditation

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Cabala / Kabbalah / Árvore da VIda


A árvore da vida é um conceito cabalístico. Ela é formada pelas dez emanações de Ain Soph, chamadas Sephiroth. A essência de todas as Sephiroth é a mesma, mas cada uma possui uma propriedade particular. A essência é universal, o que muda é a emanação de cada Sephirah. Segundo a cabala, a síntese da árvore da vida é Adam Kadmon, o Homem Arquetípico.

Essas emanações se manifestam em quatro diferentes planos, interconectando as dez sephiroth em camadas cada vez mais densas.

· Atziluth o Mundo das Emanações - Kether Chokmah Binah
· Beriah o Mundo das Criações - Chesed Geburah Tipareth
· Yetzirah o Mundo das Formações - Netzach Hod Yesod
· Asiyah o Mundo das Ações – Malkuth

As três sephiroth superiores formam um mundo abstrato e representam o estado potencial. As seis sephiroth interiores se agrupam em uma dimensão conhecida por Zeir Anpin, formando o elo entre o abstrato e a matéria. Estão firmemente interconectadas entre si. A última sephirah inferior é a representação do nível material.

No pilar esquerdo da árvore rege o princípio feminino. 

No pilar direito da árvore rege o princípio masculino. 

No pilar central da árvore existe a ligação entre os dois princípios.

O topo da árvore representa o bem e a base o mal.

Sephiroth

Kether - Coroa
Kether se situa na posição central superior da árvore. É a coroa. É o potencial puro das manifestações que acontecem nas outras dimensões. Representa a própria essência, atemporal e livre. É a gênese de todas as emanações canalizadas pelas outras Sephiroth.

Chokmah - Sabedoria
Chokmah se situa no topo da coluna direita. É a sabedoria. É o salto quântico da intuição, que deriva as manifestações artísticas. Analogamente, é o lado direito do cérebro, onde flui a criatividade e o mundo das idéias. Possui energia do fogo, associada à masculinidade e também representa o passado. Também representa a fé nos melhores dias para a humanidade.

Binah - Entendimento
Binah se situa no topo da coluna esquerda. É o entendimento. É a lógica que dá definição à inspiração e energia ao movimento. Analogamente, é o lado esquerdo do cérebro, onde funciona a razão, organizando o pensamento em algo concreto. Possui a energia da água associada à femilinidade e também representa o futuro.

Chesed - Misericórdia
Chesed se situa abaixo de Chokmah. É a misericórdia. Representa o desejo de compartilhar incondicionalmente. Representa a vontade de doar tudo de si mesmo e a generosidade sem preconceitos, a extrema compaixão.

Geburah - Julgamento
Geburah se situa abaixo de Binah. É o julgamento. Representa o desejo de contenção e de questionador de impulsos. Canaliza sua energia por meio de objetivos, com o intuito de superar obstáculos e transformar a própria natureza.

Tipareth - Beleza
Tipareth se situa abaixo e entre Chesed e Geburah. É a beleza. Junto com Chesed e Geburah forma a tríade superior Maguen David, criando harmonia. Transforma em beleza Chokmah, Binah e Kether. A sabedoria e o entendimento, com a luz do conhecimento.

Netzach - Vitória
Netzach se situa abaixo de Chesed. É a vitória. Existe a vontade de reciprocidade, a busca pelo próximo e a superação dos próprios limites, propagando o pensamento eterno. Funciona como o princípio fertilizador do espermatozóide masculino.

Hod - Esplendor
Hod se situa abaixo de Geburah. É o esplendor. É um canal de aprimoramento interno, de identificação com próximo, sendo uma forma de aceitação do pensamento, de reconhecimento. Funciona como o princípio receptivo do óvulo feminino.

Yesod - Fundamento
Yesod se situa abaixo e entre Netzach e Hod. É o fundamento. Funciona como um reservatório onde todas as inteligências emanam seus atributos que são misturados, equilibrados e preparados para a revelação material. É compilação das oito emanações.

Malkuth - Reino
Malkuth se situa na posição central inferior da árvore. É o reino. Representa o mundo físico, onde é revelado o material compilado das oito emanações. É o canal da manifestação, desejando a recepção das sephiroth. É a distância de Kether que provoca esse desejo, criando a sensação de falta.

Daath - Conhecimento
A árvore da vida é um conceito cabalístico. Ela é formada pelas dez emanações de Ain Soph, chamadas Sephiroth. A essência de todas as Sephiroth é a mesma, mas cada uma possui uma propriedade particular. A essência é universal, o que muda é a emanação de cada Sephirah. Segundo a cabala, a síntese da árvore da vida é Adam Kadmon, o Homem Arquetípico.

Fonte:
Wikipedia

Os 33 Nomes de Deus


“De vez em quando perguntam-me se acredito em Deus. 
Mas é claro. 
Acredito mais que a maioria das pessoas. 
Tenho até trinta e três nomes para ele. 
Esses nomes foi a Margueritte Yourcenar que me contou. 
Ela foi uma escritora maravilhosa, autora do livro Memórias de Adriano, quem lê nunca mais esquece, quer ler de novo. 
Pois esses são os trinta e três nomes de Deus que ela me ensinou. 
É só falar o nome, ver na imaginação o que o nome diz, para que a alma se encha de uma alegria que só pode ser um pedaço de Deus… Mas é preciso ler bem devagarinho… 
1.Mar da manhã. 
2.Barulho da fonte nos rochedos sobre as paredes de pedra. 
3.Vento do mar de noite, numa ilha… 
4.Abelha. 
5.Vôo triangular dos cisnes. 
6.Cordeirinho recém-nascido…. 
7.Mugido doce da vaca, mugido selvagem do touro. 
8.Mugido paciente do boi. 
9.Fogo vermelho no fogão. 
10.Capim. 
11.Perfume do capim. 
12.Passarinho no céu. 
13.Terra boa… 
14.Garça que esperou toda a noite, meio gelada, e que vai matar sua fome no nascer do sol. 
15. Peixinho que agoniza no papo da garça. 
16. Mão que entra em contato com as coisas. 
17.A pele, toda a superfície do corpo 
18.O olhar e tudo o que ele olha. 
19.As nove portas da percepção. 
20.O torso humano. 
21.O som de uma viola e de uma flauta indígena. 
22.Um gole de uma bebida fria ou quente. 
23.Pão. 
24.As flores que saem da terra na primavera. 
25.Sono na cama. 
26.Um cego que canta e uma criança enferma. 
27.Cavalo correndo livre. 
28.A cadela e os cãezinhos. 
29.Sol nascente sobre um lago gelado. 
30.O relâmpago silencioso. 
31.O trovão que estronda. 
32.O silêncio entre dois amigos. 
33.A voz que vem do leste, entra pela orelha direita e ensina uma canção…” 
Agradeço ao Carlos Brandão por haver me apresentado os trinta e três nomes de Deus da Margueritte. Não é preciso que sejam os seus. Faça a sua própria lista. 
Eu incluiria: 
Ouvir a sonata Apassionata de Beethoven. 
Sapos coaxando no charco. 
O canto do sabiá. 
Banho de cachoeira. 
A tela “Mulher lendo uma carta”, de Vermeer. 
O sorriso de uma criança. 
O sorriso de um velho. 
Balançar num balanço tocando com o pé as folhas da árvore… 
Morder uma jabuticaba… 
Todas essas coisas são os pedaços de Deus que conheço… 
Sim, acredito muito em Deus”.

Rubem Alves

Mais um belo e inspirado texto da série do Quarto de Badulaques (LXXX), de Rubem Alves. Num estilo que lembra vagamente o tom de gratidão natural de Manoel de Barros, o texto de Rubem Alves cita Marqueritte Yourcenar, escritora belga e primeira mulher eleita à Academia Francesa de Letras, em 1980. Não é um compêndio de provas sobre a existência de Deus (ou será que é?), é um poema de gratidão por aspectos manifestados da beleza da existência, cuja procedência e criação ainda é alvo de debate na comunidade humana. Neste texto importa pouco, porque o acreditar de Rubem Alves é um verbo com mais sentido de apreciar e contemplar agradecidamente do que qualquer outra coisa. Texto publicado originalmente no site oficial do autor.

Beethoven / Sonata Appassionata by Félix Ardanaz

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

O Tempo e a Previsão do Futuro


a)
Para não recuarmos muito, e mantermos o foco, vamos começar a partir do momento em que os planos universais (do físico ao átmico) já estão organizados (7 Tatwas), e Prana existe e os anima. Sendo o espaço uma qualidade do Akasha tatwa. Complemento (a): O universo ao se manifestar, é organizado em 7 planos, e a cada um corresponde um Tatwa. É o espelho do que é o ser humano: os 3 primeiros correspondem ao espírito e os 4 outros ao universo em evolução.

b) 
O Prana, matéria vital que tem por centro o (e se expande do Sol) até os confins de cada plano é composto por inumeráveis pontos, átomos solares, átomos Anu no plano de nossa existência. Complemento (b): O Prana é a energia que torna possível o que se conceitua como vida, dos homens, dos planos e dos astros. Emana a partir de um ponto no universo, daí para as galáxias e daí para os sistemas solares. A forma correta de imaginarmos o Sol, é como se nosso sistema solar fosse uma placenta. O Sol é o cordão umbilical.

c) 
É preciso lembrar que, um átomo formador de Prâna, um átomo solar, não é o mesmo que um átomo físico. Os planos (físico, vital, astral, mental concreto, mental abstrato, budhico, átmico) interpenetram-se, sempre estando o mais sutil nos espaços do mais denso. Sempre um plano mais sutil, reúnem-se na razão de 7 para 1, para formar um átomo do plano mais denso seguinte. Assim, 7 Atmico fazem um Budhico. 7 Budhico fazem um mental abstrato, etc, até gerarem 1 do plano físico. Operando ainda a variação de composição de cada átomo Anu.Isto, obedecendo-se a expansão e retração de cada tatwa, responsável pela geração física de cada plano existencial no universo manifestado. No processo de solve e coagula, voltando parte para o Akasha, a cada expansão. Complemento (c): um átomo do plano físico tem em si, os demais planos, uma vez que, para formar cada átomo de um plano, são necessários 7 do plano imediatamente superior. Daí dá para ver que qdo se diz que a divindade está em nós, não é só no sentido figurado. Cada um dos planos (no momento) a começar pelo Akasha até o mais denso, é formado pela expansão e contração do anterior.

d) 
Os átomos solares são de diversas classes, dependendo do predomínio dos tatwas (sempre formado na razão de 5 Tatwas para 8 partes. 4/8 e mais 4 partes de 1/8). Esta é a base da manifestação cósmica. Complemento (d): isto equivale a dizer, que a água tem em si 4 partes de água (apas), 1 parte te fogo (tejas), 1 parte de ar (vayu) e 1 parte de terra (pritivi). Lembrar que os elementos sutis, não correspondem ao elemento físico, mas ao “espírito” do elemento físico.

e) 
Muito bem, então, o Prana é formado por inumeráveis átomos solares. Estes átomos anu, tem o nome de Truti. Complemento (e): cada partícula de Prana, a energia que emana do Sol (visível, etc) é formada por um conjunto de átomos solares (na verdade partículas de consciência/energia), e cada um destes átomos tem o nome de Truti.

f) 
A polaridade destes átomos solares, agindo nos planos é definida pela distância com relação ao sua origem: os mais distantes são mais frios, fazendo equilíbrio com os mais próximos. Assim, o Prana externo ao nosso planeta (e que lhe dá a forma de vayu, arredondada) é solar, comparado com o interno, lunar, e sucessivamente, até os confins do universo. Este movimento do Prana lunar e solar, baseado em sua inclinação/projeção com relação ao Sol é que faz a rotação da Terra acontecer. Da mesma forma, isto é o responsável pelo movimento do sistema solar dentro da galáxia, e da Galáxia no universo (as elípticas). E é este movimento que, como dissemos antes, gera a polaridade que mantém o que chamamos de vida humana (cérebro-coração). Complemento (f1): o Prana que emana do sol do nosso sistema solar, é positivo logo que é gerado e, na medida em que se afasta até o fim do sistema solar, é negativo. Este negativo, depois volta ao Sol, para transformar-se, da mesma forma que é a respiração humana. (f2) Então, um Truti é uma unidade primordial mantenedora da vida, e é uma perfeita matriz da consciência cósmica, que se expande em todas as direções do universo, levando vida tatwica. (f3) O Prana que respiremos, é do mesmo tipo, e tem a mesma consciência, de um que está neste momento, nos confins do universo. E da mesma forma que na respiração, estes átomos, voltam sempre ao ponto de partida, após um ciclo, como em um continuo movimento cósmico de respiração: Isto é que é o hansa(ave de hansa), na verdade o "sa" e o "han", pois o primeiro movimento na geração do universo é uma expiração (o chamado "hálito de deus") de Parabrahmam. (f4) Este movimento de respiração do Sol, em nosso sistema solar, tem um pulso a cada 11 anos. As impurezas (desvios de Lei) voltam como manchas solares. Complemento (f2): O Truti, então, como átomo solar, tem em si, toda a vida energia/consciência do “umbigo” do plano. Como falamos antes, este movimento de expansão/retração, é o batimento do “coração do sistema solar”, do coração da galáxia, e do coração do universo.

g) 
Cada Truti é uma individualidade, enviando seus raios tatwicos em todas as direções, na medida em que se desloca pelo universo (no macrocosmos ou no microcosmos). Cada Truti, no plano, é uma envoltura de vida que, tem em si, o espaço, a matéria, o tempo e a consciência. É uma miniatura do macrocosmos, e é isto que recebemos a cada inspiração. Esta é a chave da compreensão da mente humana e da mente cósmica. Complemento (g): cada átomo solar é gerado a partir do umbigo do universo e, portanto, tem em si, toda a compreensão, energia e consciência, e é isto que vai ser espargido par todos os seres. No caso do ser humano, através da respiração.

h)
Conforme o Truti vai se deslocando no espaço (akasha), vai adquirindo experiência e este deslocamento cria a sensação que, humanamente, chamamos tempo. Complemento (h): esta “experiência” decorre do contato do átomo com os corpos mais densos (como a diferença entre o oxigênio inspirado e o gás carbônico expirado).

i) 
Assim, então, um Truti é ao mesmo tempo: uma unidade existencial, e é uma medida de tempo (que é o tempo de deslocamento do truti sobre si mesmo), no espaço. Um truti, enquanto unidade de tempo, corresponde a 0,66 centésimos de segundo. Complemento (i): a medida de deslocamento do Prana, chama-se Truti, é uma medida de tempo, e corresponde a 0,66 centésimos de segundo 

j) 
Um truti mantém em si, o espelho de tudo o quanto aconteça no universo. Isto liga-se ao tatwa, vivificando-o, e, assim, em uma unidade de Tatwa, temos o histórico de tudo o que o tatwa no seu conjunto já tenha vivenciado em todo o seu circuito de existência (que vai do inicio ao fim da manifestação do universo). Os Tatwas, portanto, são a base do que se chama de Registros Akashicos (que na verdade, acontecem em 5 planos distintos, um para cada tatwa, um para cada plano da manifestação). É aí que está registrada a história do universo e da evolução da transformação de vida energia em vida consciência. Complemento (j): como um truti (átomo solar) emana do próprio umbigo do universo, tem em si, o histórico de tudo o que ocorra, em seu caminho de ida/volta. Cada tatwa, da mesma forma, tem em cada partícula, o histórico de tudo o que já aconteceu em seu plano.

k) 
Quando usamos os sentidos para interagir, a cada ação, tejas tatwa cria uma imagem na matéria mental do que está interagindo conosco, cria um símile: um vriti. A interação diária, cria verdadeiros turbilhões de vritis, que vão nortear as nossas ações/reações no ia a dia da vida (ações, reações, emoções, pensamentos) e, mesmo depois de gerada a ação (ou mesmo se a ação não foi gerada), esta imagem mental, este vriti, fica criado, potencial, latente, ligado aquela pessoa que o criou. Complemento (k): Este é o mecanismo que permite ao ser humano (individuo cósmico) interagir com o plano físico. Os sentidos captam o que acontece no em torno, e enviam imagens para serem analisadas, dando a alma/espírito a visão do plano denso. Estas cópias do que acontece, são os vritis. 

l) 
Tempo, vem da raiz Tam, corte, indicando que o tempo, é um corte no Sempre, e só existe como medida, na manifestação. Complemento (l): Pode-se dizer que o conceito de tempo é mais perceptível quanto mais denso é o plano em questão.

m) 
O que chamamos de presente, do ponto de vista evolucional, é uma decorrente do passado. Da mesma forma que o futuro será uma decorrente do presente. Assim, quer saber o que vc fez em suas experiências anteriores: olhe para vc mesmo! Quer saber quem vc vai ser no futuro: olhe para voce mesmo. Esta mesma base vale para o indivíduo, para a família, para a nação, e para o gênero humano. Complemento (m): Ninguém pode assumir nossas responsabilidades nem nossas criações. Sempre a criatura fica ligada ao seu criador. Uma criatura gerada em desacordo com a Lei, obrigatoriamente, vai ficar ligada ao seu pai-mãe humano, para ser equilibrada. Em que época, não importa. Isto é o karma.

n) 
Sempre as ações de um período constróem a ambiência para as reações do futuro, e o que tenha ficado de pendente (no sentido de desequilíbrio) terá que ser equacionado, sublimado e resolvido (equilibrado). Nós usamos o tempo para separar acontecimentos já levados a efeito (passado) e serem levados a efeito (futuro). Sempre, o que chamamos de poder espiritual, representa o futuro, o vir a ser da evolução. O que chamamos poder temporal, representa o presente, que é resultado do passado. Complemento (n): O tempo é um medidor de eventos densos, atrelado a fatos (criações). Isto serve para um ciclo planetário, para um pensamento ou para uma vida. O processo é o mesmo. O Poder espiritual é futuro simplesmente porque ainda não adquiriu densidade para acontecer. Sempre, no plano mais denso, o presente é resultado do passado: um dia gera o outro, uma vida gera a outra, um sistema planetário gera o outro, um Pramantha gera o outro. (n1) Assim, os registros de todo o cosmos estão no Trutis, átomo Anu. - Os registros de tudo o que acontece em cada plano cósmico estão no tatwa correspondente, em cada tatwa.- Os registros de toda atividade humana estão no astral/mental, nos Vritis.- Os registros específicos de cada existência, estão nos vritis individulizados, o que chamamos de SansKara (não é mesmo que Sansara, a Roda). Que vai determinar o karma. (n2): nada no universo acontece fora da matéria. E esta matéria é dada pelos tatwas, é animada por Prana, e é modelada pelos seres humanos e pelo próprio universo. Da mesma forma que o ser humano cria a imagem do que ve (Vritis) sendo estes usados para montar o Karma futuro, da mesma forma cada partícula de inteligência cósmica mantém em si, todo o histórico do processo. 

o) 
Tem uma citação no livro “luz no caminho” atribuída a Mabel Colins, mas na verdade, este livro já era usado no oriente há séculos, sendo trazido (publicado) ao ocidente em 1885: “antes que os olhos possam ver, devem ser incapazes de lágrimas”, que dá uma ideia de o porque ao homem foi retirada a capacidade de prever (comum quando a consciência estava no neuro-vegetativo, e introspectada quando passou para o cérebro-espinhal). Antes de saber-se se é possível viajar ao futuro, ou antever o futuro, há que saber-se qual futuro eu desejo ver, e principalmente, qual o uso que eu farei com o conhecimento de fatos futuros. Complemento (o): Sobre a capacidade de visão, é retirada (a visão cósmica), pois sua contemplação por uma mente não preparada, somente causaria desequilíbrio para quem visse e para quem fosse visto, na medida em que ver é criar. Antes do sistema cérebro espinhal, o homem via no astral, pois seu foco era no sistema neuro-vegetativo, como nas criaturas que hoje chamamos de animais.

p) 
É comum dizer-se: “ durante o desenrolar dos acontecimentos...”. Isto, tem em si uma verdade esotérica, pois o futuro está enrolado sobre si mesmo e, na medida em que desacelera, projeta-se no plano mais denso, transformando-se em realidade. Complemento (p): o que é criado pelo ser humano, o futuro mais denso, desce para que a humanidade “usufrua” dele, da mesma forma como a chuva é resultado da condensação do vapor da água. Um conjunto de pensamentos, ações, são as gotículas de vapor, que, entrelaçando-se, descerão para os que a criaram. Esta é a origem do Karma coletivo. Por isto também, pode-se ver, que o futuro do coletivo, do gênero (e do ser humano) é completamente solvível e recuperável, pelos próprios seres humanos. Razão de não haver nada escrito que não possa ser reescrito.

q)
Do ponto de vista cósmico, o futuro desce (verticalizado) e horizontaliza-se, em um eterno porvir, que é o processo de transformação de vida energia em vida consciência. Do ponto de vista de sistema evolucional, nós somos o futuro inimaginável, mas agora somos presente. Assim, da mesma forma, o próximo, é um futuro hoje inimaginável. Complemento (q) : imagine um ser da cadeia planetária que antecedeu a nossa: o que somos nós para ele? O inimaginável! O inconcebível. Seres superiores, habitantes de um “porvir”. Assim é a forma como nós vemos os seres do futuro. 

r) 
Mas como se constrói o futuro: o futuro cósmico não se constrói. Nós podemos vivenciá-lo no processo que se chama iniciação, ou podemos retardá-lo, no processo que se chama geração de Karma, desvios da Lei. O Futuro é o cumprimento da Lei: criação dos universos, das galáxias, dos sistemas, dos globos, das raças, das sub-raças, das famílias, dos seres. Sempre para que o mais sutil assenhore-se da realidade do mais denso, dando a este, o mesmo nível de percepção. Este é o nosso dever, nossa obrigação, construir o futuro como divinos. Complemento (r): O futuro cósmico não se constrói humanamente, pois é a série de diretrizes que implica na vaga de vida entre planetas, na criação dos universos, dos sistemas solares, das galáxias, das hierarquias. Isto é definido na manifestação, na criação dos planos cósmicos. Mas toda a organização da matéria, o que chamamos de evolução, é nossa parte, ao menos a parte que nos cabe. E, neste caso, nossas ações moldam o futuro dos seres que nos precederão: nós mesmos!

s) 
Como se constrói o futuro humano: com o dia a dia! Uma vez que a humanidade desvia-se por consciência ou inconsciência dos desígnios da Lei, o futuro cósmico (Mestres, Avataras, etc) manifestam-se, para restabelecer o fluxo cósmico de equilíbrio e consciência, fazendo com que o futuro, do ponto de vista humano, deixe de existir, uma vez que mesclar-se-á com o presente. Isto é o Sempre: e quando a humanidade para de interferir criando desvios com relação ao futuro. Ao parar de interferir, futuro e presente misturam-se, e passa a haver a previsibilidade cósmica pois o gênero humano não mais cria desvios que submetem tanto o humano quanto o divino (que somos nós mesmos). Complemento (s): Aqui cabe uma frase de Henrique José de Souza, “ Cada um constrói o seu mundo para que o Meu permaneça ignorado”. O construir seu próprio mundo, isolando-se do Todo, do Sempre, é criar desvios da Lei. E o que é desviar-se da Lei, é criar seres (pensamentos, emoções) inconscientes. Estes seres criados, são criaturas, habitantes do universo, da mesma forma como nós somos. E são nossos filhos (na maior parte das vezes, renegados). Só que estes filhos criados por nós, não poderão ser adotados por outra pessoa. Nós teremos que renascer para equilibra-los evolucionalmente.

t) 
Então, respondendo a pergunta: como viajar no tempo e prever o futuro? Viajar no tempo é só deslocar-se através da movimentação da consciência. Assim, hoje, voce já é um viajante do tempo, pois voce é filho de voce mesmo. Voce é hoje fruto do seu próprio passado. Isto é o que do ponto de vista humano, seria uma viagem no tempo: ficar “congelado”, enquanto o tempo passa, e então voce desperta e adquire se estado anterior. O que é isto senão um processo de reencarnação (na escala setenária) de uma Mônada!!! Então hoje, somos todos viajantes do tempo, passado e presente de nós mesmos. O que precisamos é quebrar esta lógica, e deixar que nós, no futuro, sejamos filhos de nós mesmos enquanto divinos, e não de nós mesmos enquanto humanos em lesa-evolução (perpetuando o passado em nós, que são o que chamamos de erros, medos, desejos, etc, etc. As tendências negativa a serem sublimadas).

u) 
E como prever o futuro: isto é muito simples: se voce aprender a “ler” um átomo anu, terá ante seus olhos, todo o passado, presente e futuro do universo manifestado.- Se voce aprender a “ler” o reflexo do akasha tatwa, terá de imediato o acesso a tudo o que foi, é e será falado, e assim, sucessivamente, para cada um dos sentidos humanos, com relação a cada um dos tatwas;- Se voce aprender a ler os registros existentes, os símiles, os Vritis, dos Sanskaras, terá acesso ao futuro do gênero humano, das nações, dos grupos. Complemento (u): aprender a ler, é ver com a intuição, é ser o próprio elemento. Este é o objetivo da evolução, permear a mente concreta/astral (o que chamamos de alma) com a intuição. Neste momento, tudo se descortina ante nossos olhos reais. E como fazer isto: vivendo, aprendendo, agindo! Não é magia, não é presente de deus, nem do karma. É conhecimento, é evolução, é aquisição de consciência.

v) 
Mas o mais importante: como voce consegue prever seu futuro. Isto é muito simples, e não precisa usar de nenhum sidhi (poder): basta ver no seu dia a dia o que voce faz, e analisar, aquilo que só voce mesmo conhece: o que está em sua cabeça, seus pensamentos, suas emoções, seus desejos, sua busca por conhecimento. Isto é a escrita diária do seu futuro, com a mais absoluta certeza.

x) 
Quanto a ler o que está no astral, por meios artificiais que quebram partes da rede vital, levando a navegação (semi) consciente no astral, devemos lembrar que, o astral é plástico e o que está ali é o que queremos ver, não o que é real. Além do mais, devemos lembrar que, “os astros inclinam mas não obrigam”. Desta forma não há determinismo, e o futuro humano pode e deve ser reescrito, para que dele sejam retiradas todas as decorrências das ações contrárias a Lei, porque “dura lex, sed lex”. Complemento (x): Só uma recomendação para que o objeto de nossa aspiração evolucional, seja o desenvolvimento da mente concreta e da intuição. Tudo o que se refere a processos anímicos, era inerente ao ciclo que já passou, cujos resultados não alcançados, nos cabe redimir.

y)
O conhecimento do futuro sempre foi buscado pela humanidade, por todos os meios, por todas as ordens, por todas as religiões, sem nunca terem entendido que, tudo o que pudesse ser visto, poderia ser alterado. E o fato de antever, sem consciência de que pode ser alterado, em si gera um determinismo, levando a aceitação e inação, o que é lesa-evolução. Complemento (y): O futuro humano é completamente mutável, flexível, pois é o resultado das ações realizadas hoje, podendo serem sublimadas a qualquer momento, sempre redirecionando este futuro. Se fosse possível ao ser humano ver o futuro, o fato de ver, mudaria a condição do que foi visto, de mutável para imutável, de flexível para inflexível. Transformaria o provável em determinismo, com resultados imprevisíveis para a própria evolução do gênero. Lembrem-se, um Truti é ao mesmo tempo um átomo primordial e uma medida de tempo.

A letra 'Z' continua a cargo de cada um de nós, pois cada um escreve seu próprio futuro (ou o reescreve, usando Vontade, amor-sabedoria e atividade).

Por Jorge Antonio Oro
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...