sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Os 33 Nomes de Deus


“De vez em quando perguntam-me se acredito em Deus. 
Mas é claro. 
Acredito mais que a maioria das pessoas. 
Tenho até trinta e três nomes para ele. 
Esses nomes foi a Margueritte Yourcenar que me contou. 
Ela foi uma escritora maravilhosa, autora do livro Memórias de Adriano, quem lê nunca mais esquece, quer ler de novo. 
Pois esses são os trinta e três nomes de Deus que ela me ensinou. 
É só falar o nome, ver na imaginação o que o nome diz, para que a alma se encha de uma alegria que só pode ser um pedaço de Deus… Mas é preciso ler bem devagarinho… 
1.Mar da manhã. 
2.Barulho da fonte nos rochedos sobre as paredes de pedra. 
3.Vento do mar de noite, numa ilha… 
4.Abelha. 
5.Vôo triangular dos cisnes. 
6.Cordeirinho recém-nascido…. 
7.Mugido doce da vaca, mugido selvagem do touro. 
8.Mugido paciente do boi. 
9.Fogo vermelho no fogão. 
10.Capim. 
11.Perfume do capim. 
12.Passarinho no céu. 
13.Terra boa… 
14.Garça que esperou toda a noite, meio gelada, e que vai matar sua fome no nascer do sol. 
15. Peixinho que agoniza no papo da garça. 
16. Mão que entra em contato com as coisas. 
17.A pele, toda a superfície do corpo 
18.O olhar e tudo o que ele olha. 
19.As nove portas da percepção. 
20.O torso humano. 
21.O som de uma viola e de uma flauta indígena. 
22.Um gole de uma bebida fria ou quente. 
23.Pão. 
24.As flores que saem da terra na primavera. 
25.Sono na cama. 
26.Um cego que canta e uma criança enferma. 
27.Cavalo correndo livre. 
28.A cadela e os cãezinhos. 
29.Sol nascente sobre um lago gelado. 
30.O relâmpago silencioso. 
31.O trovão que estronda. 
32.O silêncio entre dois amigos. 
33.A voz que vem do leste, entra pela orelha direita e ensina uma canção…” 
Agradeço ao Carlos Brandão por haver me apresentado os trinta e três nomes de Deus da Margueritte. Não é preciso que sejam os seus. Faça a sua própria lista. 
Eu incluiria: 
Ouvir a sonata Apassionata de Beethoven. 
Sapos coaxando no charco. 
O canto do sabiá. 
Banho de cachoeira. 
A tela “Mulher lendo uma carta”, de Vermeer. 
O sorriso de uma criança. 
O sorriso de um velho. 
Balançar num balanço tocando com o pé as folhas da árvore… 
Morder uma jabuticaba… 
Todas essas coisas são os pedaços de Deus que conheço… 
Sim, acredito muito em Deus”.

Rubem Alves

Mais um belo e inspirado texto da série do Quarto de Badulaques (LXXX), de Rubem Alves. Num estilo que lembra vagamente o tom de gratidão natural de Manoel de Barros, o texto de Rubem Alves cita Marqueritte Yourcenar, escritora belga e primeira mulher eleita à Academia Francesa de Letras, em 1980. Não é um compêndio de provas sobre a existência de Deus (ou será que é?), é um poema de gratidão por aspectos manifestados da beleza da existência, cuja procedência e criação ainda é alvo de debate na comunidade humana. Neste texto importa pouco, porque o acreditar de Rubem Alves é um verbo com mais sentido de apreciar e contemplar agradecidamente do que qualquer outra coisa. Texto publicado originalmente no site oficial do autor.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...