sexta-feira, 9 de março de 2012

Angústia diante do Novo


"O novo sempre nos assustou. Historicamente temos diversas referências, especialmente entre os filósofos como Giordano Bruno, Galileu Galilei e Sócrates. Seus discursos assustavam porque inovavam. Sugeriam pensamentos e comportamentos diferentes aos do costume da época.

Se procurarmos podemos encontrar muitos outros nomes, mas o importante neste momento é refletirmos sobre a angústia que acompanha o novo. Sempre que alguma idéia nova surge temos um primeiro impulso de repudiá-la. Pois o novo sugere mudanças e essas proporcionam desconforto.

Ao atentarmos para o novo nos colocamos em uma situação de fragilidade porque aquilo que conhecemos proporciona conforto, segurança e confiança. Então é comum presenciarmos situações de medo quando uma criança é levada pela primeira vez a uma escola onde, mesmo na companhia de outras crianças, sente-se desamparada e assustada. Além das questões emocionais envolvidas, que não é nosso objetivo no momento, a situação do novo sempre desequilibra.

Uma amiga disse que nos desequilibramos o tempo todo se queremos nos movimentar. Ao trocar um passo experimentamos a perda do equilíbrio momentaneamente para retomá-lo rapidamente e assim por diante se desejarmos caminhar, apesar de termos a opção de permanecermos no mesmo lugar. E da mesma forma agimos em todos os sentidos. Para experimentar algo novo precisamos sair do equilíbrio no qual nos encontramos e então conhecermos o movimento que o novo oferece.

Movimento, a princípio, indica algo o qual todos desejamos, mas nem sempre estamos dispostos a alcançá-lo. Se tomarmos como exemplo algo bem simples, como um exercício físico que protelamos ou deixamos para outra oportunidade, poderemos perceber o quanto damos preferência ao conforto no qual nos encontramos, em oposição ao movimento que afirmamos ser nosso propósito.

Porém, em alguns momentos de nossa existência precisamos tomar decisões que envolvem algo novo. E se nos prepararmos para enfrentar o novo que se apresenta, teremos maiores chances de escolhas que nos ofereçam alternativas inesperadas para situações que podemos, inclusive, estar familiarizados, mas que sob outro ponto de vista torna-se surpreendente.

Angústia diante do novo é algo que permeia o nosso existir. No entanto, buscar maneiras de suavizar esse sentimento, de modo a sermos capazes de nos arriscarmos em situações que possam nos surpreender é uma decisão que pode auxiliar em nosso movimento em busca de novas conquistas."

Texto de Márcia A. Ballaminut Cavalieri
Psicóloga
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...