segunda-feira, 4 de junho de 2012

Hoje! 4 de Junho Eclipse Parcial da Lua




O eclipse lunar é um fenômeno astronômico que ocorre toda vez que a terra fica entre o sol e a lua, exatamente na linha de intersecção de sua órbita com a da lua, a chamada “linha dos nodos”, e sempre que a lua está na fase de lua cheia ou na fase de lua nova.


Quando isso ocorre, a lua entra na chamada zona de “umbra” (ou sombra), ou “penumbra” da terra e fica totalmente ou parcialmente invisível durante alguns minutos.


Para entender melhor: imagine que você pegou uma bola e acendeu uma lanterna na direção dela. A sombra que irá se formar atrás da bola terá uma parte mais clara e outra mais escura. A parte mais escura terá o formato de um cone com a base na bola, e a parte mais clara terá o formato de um cilindro, também com a base (menor) na bola, em volta do cone. O cilindro, ou a região mais clara, é chamado de “penumbra”, espaço de meia sombra que recebe um pouco de luz, e a parte mais escura, o cone, é chamada de “umbra”, parte que não recebe nenhuma luz, completamente escura.


Com qualquer corpo redondo do sistema solar ocorre o mesmo efeito, e no eclipse lunar também. É como se a lanterna fosse o sol, a bola fosse a terra e a lua estivesse na região do cone, ou “umbra”. Por isso que não conseguimos vê-la durante o eclipse.


Acontece que a lua, de acordo com a inclinação de sua órbita, pode passar apenas perto da região de “umbra”, causando um eclipse parcial, ou mesmo um eclipse “penumbral” quando ela apenas atravessa a região de penumbra. Este último não pode ser percebido a olho nu, porque a lua permanece praticamente com o mesmo brilho.


A principal diferença do eclipse lunar e do eclipse solar, que pode ser percebida por nós, é que o eclipse lunar pode ser avistado de qualquer parte do hemisfério terrestre que estiver voltado para a lua. Já um eclipse solar só pode ser avistado do chamado “caminho do eclipse”, que é o caminho que a “umbra” da lua (a ponta do cone) percorre na superfície terrestre quando a lua se encontra entre o sol e a terra.


Outra diferença é que os eclipses solares costumam durar apenas cerca de 7 minutos, enquanto que o eclipse lunar pode durar até pouco mais de 3 horas, mas a fase total dura cerca de 1h.


Por Caroline Faria


Fonte:
Infoescola



No Brasil, o fenômeno será registrado ao amanhecer e não terá boa visibilidade. No próximo dia 4 de junho, ocorre um eclipse parcial da Lua. 

No Brasil, o fenômeno será registrado ao amanhecer, entre 5h48 e 6h59, quando a Lua estará se pondo, e por isso não terá boa visibilidade.

O eclipse é a ocultação temporária de um astro quando entra na sombra de outro. Assim, o eclipse lunar se dá quando a Terra fica entre o Sol e a Lua. Pode ser total, quando o astro fica totalmente escuro; parcial, quando apenas parte dele entra na área de sombra; ou penumbral, quando não chega a entrar no sombreamento.

De acordo com Josina Oliveira do Nascimento, pesquisadora da coordenação de Astronomia e Astrofísica do Observatório Nacional (ON), o fenômeno do próximo dia 4 não terá boa visibilidade porque será ao amanhecer, com o céu clareando. Além disso, no período em que o eclipse poderá ser visto do Brasil, a Lua estará com uma pequena parte na umbra e quase toda na penumbra, ou seja, o satélite não será totalmente encoberto pela sombra da Terra. O fenômeno terá uma aparência de uma “mordida” em um dos lados da Lua.

O eclipse será visto com melhor qualidade no Oceano Pacífico, entre a Austrália e as Américas. Sua fase penumbral terá duração de 4h30 e a umbral, 2h06. Seu ápice – ou centro do eclipse, momento de maior ocultação – ocorrerá entre 6h59 e 12h06, quando já será dia no Brasil. 

Fonte:
Observatório Nacional

NASA:




Ver também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...