sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Inteligência: Exercite a sua!


Amante do mundo, das pessoas e das artes. Poeta quando pode e não o quanto gostaria. Esta auto-definição é de Marsyl Bulkool Mettrau, professora universitária e pesquisadora especializada em Altas Habilidades. Inteligência para os leigos. Autora do livro “Inteligência, Patrimônio Social” e de vários trabalhos sobre cognição. 

Nesta entrevista para a Oficina da Memória, Marsyl chama a atenção para o fato de que todos temos talentos, mas que precisam ser ativados. Marsyl viveu um ano na Argélia, no norte da África, período em que dirigiu a Escola Jardim Brasil, para filhos de trabalhadores brasileiros lá residentes. Durante cinco anos seguidos, organizou, em uma universidade pública, a Jornada de Talentos, iniciativa que se destinava, predominantemente, a pessoas pobres, que, em sua maioria, nunca puderam perceber o valor social da arte e da beleza, indo do cordel ao origami, culinária, poesia, coral, pintura, entre outras formas de expressão do talento pessoal. 

Professora e pesquisadora da Universidade Universo, Marsyl coloca em prática o que preconiza como ensinamento. Embora tenha um cotidiano atribulado - amenizado pela presença da netinha Alicia, de apenas seis anos, a quem ela considera sua “delícia”-, encontra tempo para se dedicar à poesia, e está escrevendo o livro “Ninguém Nasce Pronto”. 

Pretende, com a publicação do livro, democratizar uma informação ainda de circulação restrita ao meio acadêmico e especialistas da área: a de que o cérebro se mantém vivo, com capacidade cognitiva mesmo com a chegada da velhice. Para tanto, ela adverte, é preciso estimular o cérebro constantemente, de forma a mantê-lo funcionando em plenitude. 

Aos 68 anos, Marsyl dá dicas para que todos possam exercer seus respectivos talentos e treinar a inteligência, e, assim, tornem a vida mais interessante e envelheçam com dignidade. “Ao idoso que queira manter-se vivo no sentido pleno, digo que tem de ter avidez pelo que é novo, criar expectativas, manter o olhar de criança, de jovem, de modo a poder ficar maravilhado com as coisas novas. Desfrutar o prazer da descoberta!”, ensina a pesquisadora. 

Oficina da Memória – Por que ser criativo é considerado difícil? 

Marsyl – Porque o processo criativo, a criatividade em si, é algo que remete ao novo, ao que não é considerado usual, e isto envolve as pessoas, de um modo geral, em um “medo” de não saber lidar com esse novo. Esse falso medo leva a maioria das pessoas, independentemente da faixa etária, a considerar que ser criativo, necessariamente, é algo complexo. E não é. Além disso, ainda não é costumeiro o estímulo à criatividade. 

Oficina da Memória – O que é criar? 

Marsyl – Criar é dar forma a algo novo em qualquer campo da atividade e, portanto, o ato de criar abrange a capacidade de compreender, que, por sua vez, envolve outras capacidades, tais como: relacionar, ordenar, configurar, significar. Por isto, vemos a criação como uma dimensão da inteligência. Os indivíduos mais altamente criativos têm necessidades fortes voltadas para o desconhecido, o inusitado, o paradoxal, o misterioso, enfim o inexplicado e conservam estas características também na Terceira Idade. O criar, o conhecer e o sentir são as diferentes expressões da inteligência humana, pois é possível ao homem expressar sua inteligência de variadas maneiras e formas, porque ele é capaz de criar (criação), perceber e conhecer o que cria (cognição) e sentir emoções. 

Oficina da Memória – Como identificar uma pessoa criativa? 

Marsyl – Podemos chamar de criativa uma pessoa que sempre faz perguntas, que descobre problemas aonde os outros encontram respostas satisfatórias; que é capaz de juízos e julgamentos autônomos e independentes (do pai, da escola, da sociedade etc.). Ela recusa o já codificado e remanuseia objetos e conceitos sem se deixar inibir pelo conformismo de aceitar as idéias como elas já se apresentam. 

Oficina da Memória – O que é a inteligência? 

Marsyl – É a expressão de um processo dinâmico profundamente afetado pela emoção, desejo e afeto. 

Oficina da Memória – O funcionamento da inteligência humana é um processo dinâmico, sem local de início nem fim, que englobaria três expressões distintas, mas indissociáveis e que se iniciam, se realizam e se desenvolvem no contexto do grupo social. É o que você afirma. O isolamento a que são submetidas as pessoas da Terceira Idade não contribui de forma negativa para a continuidade da dinâmica desse processo? 

Marsyl – Contribui consideravelmente, porque os circunstantes percebem em alguns idosos um ar mais desligado e acham, equivocadamente, que isto se dá pelo fato deles já terem vivido tudo, daí estarem imersos nesse processo de desinteresse em relação ao mundo. Embora estejamos vivendo um período de grande avanço nas pesquisas sobre o cérebro e a mente, ainda não deu tempo de as pessoas, em geral, conhecerem a capacidade efetiva desse órgão. Percebe-se que há um desconhecimento sobre a capacidade permanente do cérebro de interagir e que, para isto, precisa ser também permanentemente estimulado. 

Oficina da Memória – Por falar em estímulo, como incentivar o talento para que ele não se perca? 

Marsyl – Antes de tudo, é preciso assumir que uma mesma pessoa possa ter um ou mais de um deles e se conscientizar de que o talento importa para o que se está em volta. E aquelas pessoas que acham que não o tem, precisam ficar atentas para estimular o seu talento. E para despertá-lo é indispensável ter uma vida participativa. E participação não apenas na chamada vida social, mas ir com frequência aos museus, às galerias de artes, às livrarias, para se manter alerta cognitivamente. Infelizmente, esse tipo de atividade não está tão difundida quanto as atividades sociais, tais como dança de salão e hidroginástica, por exemplo, que são importantes, mas são complementares. As trocas cognitivas, intelectuais são imprescindíveis na vida de qualquer pessoa, independentemente da faixa etária. Oscar Niemeyer, com 99 anos, por exemplo, acaba de se casar. Esse prazer de viver só se mantém porque ele permanece criando, sendo inventivo e produzindo, porque não se permitiu o susto, o lapso da parada. 

Oficina da Memória – Você disse que criar, perceber o que cria e sentir são, exatamente, as dimensões que distinguem o ser humano dos demais animais. Como continuar fazendo isso, mesmo quando envelhecemos e, em tese, já não estaríamos dispostos a isso? 

Marsyl – Essa tese está errada. Esse diagrama é equivocado, porque o cérebro só deixa de funcionar por falta de estímulos, sejam orgânicos ou sociais. Até que ocorra a morte cerebral, que é algo definitivo, tem que se acreditar no poder criativo de cada um, cultivar o cognitivo, se propondo desafios dessa ordem, como, por exemplo, aprender uma língua nova e ler a respeito da cultura do povo que pratica essa língua específica. Não adianta ficar apenas repetindo o que se está acostumado a fazer, como palavras cruzadas, embora elas desempenhem o seu papel. 

Oficina da Memória – Apesar de você assegurar não haver diferenciação de funcionamento das três expressões da inteligência humana em qualquer faixa etária, por que os jovens são considerados mais criativos? 

Marsyl – Porque os jovens se dedicam mais à absorção do mundo, enquanto as pessoas da Terceira Idade acham que entre 70% a 80% do que acontece já é conhecido e não merece a atenção delas. Se um idoso começa a praticar aquarela, ele já sabe que terá que comprar uma tinta e um papel especiais e que terá que representar determinadas situações propícias a esse tipo de expressão artística. Ao idoso que queira manter-se vivo no sentido pleno, é imprescindível que tenha avidez pelo que é novo, crie expectativas, mantenha o olhar de criança, de jovem, de modo a poder ficar maravilhado com as coisas novas. Desfrutar o prazer da descoberta! 

Oficina da Memória – O senso comum dá conta de que a velhice estaria associada à decrepitude não apenas da parte física, mas também da mental. E isto não é verdade, de acordo com os seus estudos. Por que a sociedade pensa assim? Isto é mito ou preconceito? 

Marsyl – Nem mito, nem preconceito: é puro desconhecimento. A sociedade precisa saber que o cérebro se mantém vivo, com capacidade cognitiva mesmo com a chegada da velhice, mas que para isto é preciso ser constantemente estimulado, de forma a mantê-lo funcionando em plenitude. Como essa informação ainda é de circulação restrita aos meios acadêmicos, ainda está em poder dos especialistas da área, vou escrever um livro, cujo objetivo principal é democratizar esse saber; o título é “Ninguém Nasce Pronto”. Não quero colaborar e corroborar com esse desconhecimento. 

Oficina da Memória – Porque algumas pessoas são consideradas talentosas, enquanto outras não? 

Marsyl – O talento é a expressão muito boa do saber e do fazer e, potencialmente, qualquer pessoa pode desenvolvê-lo. Mas como a maioria das pessoas não sabe disso e acha que o talento é algo fatalmente artístico, acaba não indo em frente, não dando asas à criatividade em outras áreas da expressão, pois há vários tipos de talento. Infelizmente, muitos desses outros tipos de talento não são aceitos como os convencionais. Um exemplo: se um jovem demonstra talento em Filosofia, ele passa a ser mal entendido, porque sempre terá alguém para taxar aquele jovem de jovem velho ou jovem com cabeça de velho, como se costuma dizer. Isso faz com que pessoas que tenham talentos diferenciados passem a não acreditar em si próprias e temam o risco de serem expostas, até mesmo ridicularizadas. Essas pessoas precisam é ser encorajadas a demonstrarem esses outros talentos. E esse encorajamento deve ser feito aos jovens inclusive pelas pessoas de maior idade que deixaram de exercer os seus talentos diferenciados. 

Oficina da Memória – Como se cultivar o talento? 

Marsyl – O cultivo do talento deve começar desde pequeno. A pessoa deve ir a exposições, ouvir palestras, ler muito, participar de debates, conversar com os mais variados tipos de profissionais, como capoeiristas e carnavalescos, apenas para citar dois exemplos. Falar em carnavalescos, a pessoa deve ir visitar os barracões das escolas de samba, para perceber a imensidão de caminhos possíveis permitidos pela criatividade. Outro dia, vi na televisão um jovem médico dizendo que iria trocar de profissão, pois ele tinha feito um curso sobre carnaval e queria ser carnavalesco daqui para frente. Outro caminho para se cultivar o talento é não parar nunca de procurar se atualizar, se informar. Não ficar preso à uma única resposta, pois esta é o anti-cultivo do talento. Procurar respostas alternativas é fundamental, de forma a romper com esse modelo das respostas padronizadas, como se constata hoje no mundo acadêmico. Para se cultivar o talento, é fundamental estar sempre pronto a identificar o novo, encará-lo, no sentido de incorporá-lo à vivência. Devem-se cultivar os talentos no sentido de incentivá-los ou, pelo menos, evitar que se percam em todos e também na Terceira Idade. Talento não se desperdiça, principalmente em um país tão carente de mudanças em que só altas doses de criatividade conseguirão possibilitar seu crescimento com qualidade e rapidez. Além de tornar as pessoas que os usam e são reconhecidas e valorizadas mais felizes. 

Oficina da Memória – Você destaca o papel fundamental da motivação no pensamento criativo e na vida em geral. Como se exercitar para praticá-lo? 

Marsyl – Motivação é mola propulsora das forças todas que impulsionam a vida. Uma vez detonada, ela funciona como o diferencial que faz a pessoa ficar permanentemente em estado de perceber o que está acontecendo ou o que está para acontecer de interessante. Uma orquídea que, depois de florescer, murcha e cai, tem que despertar na pessoa, depois que voltar a florescer, o caráter imprescindível do tempo necessário para que isto volte a acontecer. Outra forma de praticá-lo é a pessoa se dedicar à leitura das biografias dos personagens que se dedicaram às descobertas. Acreditar em algo que não se está vendo, estar sempre sintonizado com o novo. 

Oficina da Memória – O que uma pessoa pode fazer no dia-a-dia para ajudar na construção da inteligência ao longo da vida? 

Marsyl – Nosso dia-a-dia já representa um conjunto de desafios mas devemos ter “consciência” dessas dificuldades e de como resolvemos, damos solução, acertadas ou não. Isto é para toda a vida. Reunir grupos e conversar sobre estes fatos e as suas soluções também é algo interessante a ser feito para expressar e usar nossa inteligência maximamente. 

Oficina da Memória – E que dicas você daria às pessoas, sobretudo idosas, para desenvolver e manter a inteligência e, ainda, até mesmo expressá-la? 

Marsyl – Utilizar a leitura com reflexão, discussão, realização de jogos, palavras cruzadas, passeios e participação em variados tipos de eventos sociais, acadêmicos, familiares, etc. Conhecer novas pessoas, novos locais e outras profissões diferentes da que exerce e com as quais está habituada a conviver. Ter curiosidade e saciá-la. Definir um ou mais objetivos a serem alcançados, determinando o tempo e planejando etapas para isto. Listar, a cada ano, esses objetivos e analisar, deixando escrito, se possível: por que consegui? por que não consegui? E assim caminhar sempre: determinando objetivos e criando expectativas próprias e não seguindo as dos outros. Expectativa e desejo são muito importantes e é nos objetivos que reconhecemos os desejos. Reitero aqui o aprendizado da cultura e da língua de outros povos, tais como os italianos, os espanhóis, os franceses, americanos ou outros. Fazer uso amplo do computador, para se sentir em dia e “na moda”, assim como procurar falar a mesma linguagem atual. Aprender e tentar fazer coisas que nunca fez antes é fundamental. Participar de exposições, leituras, rodas de poesia, mas de forma intensa e sistemática, isto é, com continuidade. Observar que a palavra-chave é aprender sempre de variadas maneiras e em variados campos do conhecimento: fotografia, floricultura, carnaval, atividades, etc. 

Fonte: 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...