domingo, 31 de julho de 2011

Tzolkin / O Calendário Maia





A extraordinária civilização pré-colombiana denominada Maia, desaparecida há 300 anos do continente americano, legou-nos maravilhas e conhecimentos que são, até hoje, objetos de investigação de historiadores do mundo inteiro. Sua vasta cultura é muito similar à do antigo Egito, não só pela precisão matemática de seus monumentos (templos e pirâmides), mas pela maneira como interpretavam o sentido da vida.


Os maias concebiam a Terra como um ser vivo orgânico, antecipando o pensamento dos ecologistas de nosso século. E entendiam o tempo da mesma forma que o conceito de Noosfera de Teilhard de Chardin e o Num dos egípcios, oceano cósmico de onde tudo flui e de onde plasmam todas as formas vivas. Outra característica importante da concepção maia do tempo é a ênfase na sua manifestação quadridimensional, onde a matemática e a física aproximam-se bastante dos insights de Planck e Einstein, obviamente sem a atual sofisticação tecnológica. Compreendiam o tempo mais que qualquer outra cultura, percebendo que ele é a quarta dimensão, assim como afirmou Einstein. E entendiam que o tempo não é uma medida linear (presente, passado e futuro), mas uma série de ciclos que se repetem, da mesma forma que afirmava Pitágoras de Samos, no século V a.C.

O antropólogo norte-americano, Dr. José Argüelles, e sua mulher, Lloydine, após muitos anos de pesquisa e estudos, decifraram os códigos maias do tempo, "descobrindo"o Tzolkin, seu precioso calendário sagrado de treze luas - 28 dias. Segundo o Dr. Argüelles, "somos a única espécie que vive impulsionada por uma freqüência de tempo artificial, que nos torna criaturas divorciadas da natureza e, portanto, suicidas". Artificial porque em nossa sociedade de 12 meses (do calendário) e 60 minutos (do relógio), o que podemos chamar freqüência 12:60, ficamos condicionados a um cotidiano irregular onde "time is money". As atividades mais elementares da vida passaram a ser ditadas pelo relógio mecânico, a terem duração prevista e predeterminada. "Essa freqüência artificial de uma certa forma ajudou a impulsionar o avanço científico, industrial e tecnológico, mas petrificou o homem, o desumanizou, criou as condições do terror, do medo, das fobias que conhecemos hoje" completa Argüelles.

O calendário de treze luas - 28 dias, possui 4 semanas de 7 dias e é biologicamente preciso, pois baseia-se no ciclo de 28 dias dos seres humanos e das fases da lua. Se dividirmos este ciclo pelo número da perfeição (4), obteremos 7. Isto corresponde a 4 semanas perfeitas por lua. Em segundo lugar, já que estamos tratando do tempo biológico, nossos corpos estão também codificados com os números sagrados 13 e 20 em que se baseia o calendário (13 números e 20 símbolos ou selos), já que temos 20 dedos nos pés e nas mãos e são 13 as nossas principais articulações. Assim, vemos que o nosso corpo contém o 13 e o 20, cuja diferença é o 7. Sete também é o centro místico de treze. Com uma semana de 7 dias, temos 52 semanas perfeitas por ano, o que é também um número sagrado: 4x13=52. Cada lua possui exatamente 28 dias, sempre, não variando como no atual calendário gregoriano onde existem meses de 28, 30 e 31 dias. No atual sistema, segundo o Dr. Vandir Natal Casagrande, porta-voz no Brasil do calendário de treze luas, a medida do tempo é irregular, arbitrária e irracional. Além disso, ele lembra que "o calendário em uso foi instituído pelo papa Gregório XIII, no século XVI, quando a Igreja achava que a Terra era o centro do universo".

A adoção do Calendário Maia, faz parte de um importante Plano de Paz para o planeta, também desenvolvido pelo Dr. Argüelles, chamado Pax Cultural - Pax Biosférica, que segundo o casal Argüelles, levará cinco anos para ser implementado. Os adeptos do Movimento Mundial de Paz e de Mudança para o Calendário de 13 Luas enviaram sua proposta aos governantes das mais importantes nações, inclusive a deputados, senadores e ao presidente do Brasil, e também para a ONU e o Vaticano. E o Dr. Vandir Casagrande afirma que "hoje somos 200 mil em todo o mundo. Quando formos cerca de 2 milhões, vamos ter a massa crítica necessária para empurrar os outros. O resto da população entraria em sintonia pelo processo da ressonância".

O propósito do calendário é conectar as pessoas com os ciclos naturais do tempo quadridimensional. Isto também nos conecta às outras pessoas e ao planeta Terra. O resultado é a nossa harmonização com a Terra. Os maias, com seu Tzolkin, além de estabelecerem uma extraordinária contagem do tempo, reuniram os conteúdos referenciais indispensáveis para que possamos alcançar o verdadeiro equilíbrio interior, a dimensão altruísta necessária para a auto-realização e a paz. Através do calendário, aprendemos a trocar a expressão "tempo é dinheiro" por "tempo é arte". E, além de harmonizarmos a nós mesmos, estaremos participando da elevação da humanidade, do planeta e do processo de harmonização do sistema solar.

Por Norma Estrella

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...